Coca-Cola Portugal nomeia primeira diretora-geral de nacionalidade portuguesa

Sandra Vera-Cruz junta-se a Rui Serpa que, em 2018, assumiu funções de diretor-geral na Coca-Cola European Partners, como os únicos portugueses com funções de chefia numa das maiores empresas ligadas ao setor das bebidas a nível mundial.

Sandra Leal Vera-Cruz é o nome escolhido pela multinacional para conduzir as visões estratégicas da empresa em Portugal. É a primeira vez que a Coca-Cola Portugal nomeia uma pessoa de nacionalidade portuguesa para o cargo.

O percurso da nova diretora-geral na Coca-Cola Portugal iniciou-se em 2007 quando assumiu as funções de Business Decision Support Manager . Segundo o comunicado a que o Jornal Económico teve acesso, o contributo na divisão e na relação com o cliente estratégico fizeram com que Sandra Vera-Cruz assumisse funções de maior responsabilidade na área da inovação, assumindo desde 2016 a função de Business Development Director na divisão da McDonalds Europa.

Segundo o comunicado, Sandra Vera-Cruz “conduziu uma estratégia sustentável em toda a região e implementou planos de negócios conjuntos, focados em aumentar a incidência de bebidas nos McDonald’s da região”.

“É um grande desafio ao qual conto dar a melhor resposta, sempre com o contributo de todas as equipas que compõe a nossa actividade em Portugal. Vamos trabalhar para fazer crescer as nossas marcas, conquistar mais relevância, dar resposta aos desafios do setor e acelerar ainda mais a transformação por via da inovação, sempre com o consumidor no centro da estratégia”, refere Sandra Vera-Cruz.

Sandra Vera-Cruz junta-se a Rui Serpa que, em 2018, assumiu funções de diretor-geral na Coca-Cola European Partners, como os únicos portugueses com funções de chefia numa das maiores empresas ligadas ao setor das bebidas a nível mundial.

Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

A edição digital do Jornal Económico vai estar disponível gratuitamente durante as próximas semanas, devido à situação de emergência nacional causada pela epidemia de Covid-19. Desta forma, todos os leitores continuarão a ter acesso ao Jornal Económico.

Bloco de Esquerda pergunta ao Governo se vai impedir distribuição de dividendos da Galp

O Bloco defende que a distribuição de dividendos pela Galp deve ser travada pelo Governo e que o dinheiro deve servir para ajudar a empresa a retomar a sua produção nas refinarias de Sines e Matosinhos depois do fim da crise provocada pela Covid-19.

Associação Académica da Universidade de Lisboa arrisca pedido de falência

Empresa que produziu Queima das Fitas Lisboa 2019 prepara pedido de falência da AAL por dívida de serviços prestados. Andamento Produções quer arrestar subvenções, quotas e outros ativos.
Comentários