Cofina confirma negociações “intensas” com a Media Capital “nas últimas horas”

O grupo que detém o jornal “Correio da Manhã” esclarece, contudo, que ainda não é possível estimar quando o negócio para a compra da TVI ficará fechado.

A Cofina adiantou esta terça-feira de madrugada que as negociações com a Prisa para a compra da Media Capital, dona da TVI, continuam a decorrer e têm-se desenvolvido “de forma muito intensa nas últimas horas”. Na sequência de uma notícia do “Expresso” e a pedido da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o grupo que detém o jornal “Correio da Manhã” informou, no entanto, que ainda “não é possível estimar uma data concreta para a obtenção de um acordo”.

O consenso entre as partes continuará a depender “da aprovação prévia pelos órgãos de administração da Cofina e da Prisa”, refere o comunicado divulgado esta noite pelo regulador dos mercados. “Os efeitos transmissivos de um acordo que venha a ser alcançado ficarão, de todo o modo, sujeitos às condições suspensivas legais e/ou contratuais que nele venham a ser previstas”, acrescenta a Cofina, depois de o semanário do grupo Impresa avançar que “é só esperar mais uns dias” para saber o futuro da TVI.

No final da semana passada, os jornais “Expresso” e “Eco” noticiaram que o negócio de 255 milhões de euros ficava fechado esta quarta-feira. Segundo os jornais suprarreferidos, a Cofina conta com dois financiadores internacionais (o banco espanhol Santander e o francês Société Générale e dois novos acionistas (Abanca e o empresário português Mário Ferreira). Numa nota enviada à CMVM na sexta-feira, a empresa de Paulo Fernandes não confirmou a informação, mas assegurou que iria prestar os esclarecimentos adicionais que se justificassem se existirem desenvolvimentos nas conversações.

Em meados de agosto, o “Expresso” avançou que Paulo Fernandes, dono da Cofina, decidiu entrar em negociações exclusivas para a compra da TVI à espanhola Prisa. Dois dias depois, a Cofina clarificou à CMVM, em virtude de uma suspensão de negociações das ações do grupo de comunicação, que admite lançar uma OPA (Oferta Pública de Aquisição) à Media Capital.

O CEO do grupo que detém também publicações como o desportivo “Record” e a newsmagazine “Sábado” teria assinado um memorando com a Prisa três semanas antes, que lhe garante exclusividade nas negociações. O processo de venda teria tido início após a saída de Rosa Cullell da direção executiva da Prisa e depois de fracassadas negociações com a Altice, bem como do interesse de outros dos potenciais compradores como Mário Ferreira.

Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários