Cofina tem até 20 dias para requerer registo da OPA sobre a Media Capital

O grupo Cofina, liderado por Paulo Fernandes, tem agora até 20 dias para requerer o registo da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a totalidade das ações da Media Capital, dona da TVI e rádio Comercial, entre outros.

Presidente Executivo da Cofina, Paulo Fernandes | Foto cedida

No sábado, dia 21 de setembro, a Cofina, dona do Correio da Manhã e do Jornal de Negócios, entre outros títulos, anunciou que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para comprar a totalidade das ações que detém na Media Capital, valorizando a empresa em 255 milhões de euros. A operação de compra inclui também a dívida da Media Capital.

Nesse mesmo dia, a Cofina fez o anúncio preliminar da Oferta Pública geral e voluntária da Aquisição de ações representativas do capital social do grupo Media Capital.

Em termos gerais, a Cofina tem agora até 20 dias para requerer o registo após o anúncio preliminar, sendo que o pedido deve ser instruído de entrega à visada dos projetos de prospeto e de anúncio de lançamento.

O órgão de administração de sociedade visada em OPA dispõe de oito dias corridos para elaborar um relatório sobre a oportunidade e condições da oferta, os quais são contados a partir da receção dos projetos de prospeto e de anúncio de lançamento.

O registo e o subsequentre lançamento da OPA fica dependente, além da instrução documental prevista na lei e apreciação pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), da verificação das condições presentes no anúncio preliminar.

O contrato de compra e venda está sujeito à não oposição da Autoridade da Concorrência (AdC), à autorização da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e à aprovação, pela assembleia-geral da Prisa, da transação, entre outras condições.

Contactadas pela Lusa, fontes oficiais da ERC e da AdC disseram que as respetivas entidades não foram ainda notificadas da operação.

Ler mais
Relacionadas

Cofina/Media Capital: CMVM levanta suspensão de negociação das ações

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) levantou a suspensão da negociação das ações do Grupo Media Capital e da Cofina, após a dona do Correio da Manhã ter chegado a acordo para comprar a empresa que detém a TVI.

Diretiva Netflix: Cofina quer apostar na criação de conteúdos para exportar

À boleia das novas regras europeias que exigem que plataformas como a HBO ou a Netflix tenham 30% de conteúdos europeus, a Cofina espera “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador”, após a compra da Media Capital, dona da Plural, produtora de conteúdos.

Cofina envia carta aos trabalhadores a garantir que “linhas editoriais” serão mantidas 

Presidente do conselho de administração da Cofina pretende que “todos os profissionais” estejam dispostos a colaborar no novo projeto. “Foi concluído um importante passo no sentido de assegurar o desenvolvimento e o crescimento da empresa e a sua sustentabilidade futura”, diz Paulo Fernandes.
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários