Cofina tem até 20 dias para requerer registo da OPA sobre a Media Capital

O grupo Cofina, liderado por Paulo Fernandes, tem agora até 20 dias para requerer o registo da Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a totalidade das ações da Media Capital, dona da TVI e rádio Comercial, entre outros.

Presidente Executivo da Cofina, Paulo Fernandes | Foto cedida

No sábado, dia 21 de setembro, a Cofina, dona do Correio da Manhã e do Jornal de Negócios, entre outros títulos, anunciou que tinha chegado a acordo com a espanhola Prisa para comprar a totalidade das ações que detém na Media Capital, valorizando a empresa em 255 milhões de euros. A operação de compra inclui também a dívida da Media Capital.

Nesse mesmo dia, a Cofina fez o anúncio preliminar da Oferta Pública geral e voluntária da Aquisição de ações representativas do capital social do grupo Media Capital.

Em termos gerais, a Cofina tem agora até 20 dias para requerer o registo após o anúncio preliminar, sendo que o pedido deve ser instruído de entrega à visada dos projetos de prospeto e de anúncio de lançamento.

O órgão de administração de sociedade visada em OPA dispõe de oito dias corridos para elaborar um relatório sobre a oportunidade e condições da oferta, os quais são contados a partir da receção dos projetos de prospeto e de anúncio de lançamento.

O registo e o subsequentre lançamento da OPA fica dependente, além da instrução documental prevista na lei e apreciação pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), da verificação das condições presentes no anúncio preliminar.

O contrato de compra e venda está sujeito à não oposição da Autoridade da Concorrência (AdC), à autorização da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e à aprovação, pela assembleia-geral da Prisa, da transação, entre outras condições.

Contactadas pela Lusa, fontes oficiais da ERC e da AdC disseram que as respetivas entidades não foram ainda notificadas da operação.

Ler mais
Relacionadas

Cofina/Media Capital: CMVM levanta suspensão de negociação das ações

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) levantou a suspensão da negociação das ações do Grupo Media Capital e da Cofina, após a dona do Correio da Manhã ter chegado a acordo para comprar a empresa que detém a TVI.

Diretiva Netflix: Cofina quer apostar na criação de conteúdos para exportar

À boleia das novas regras europeias que exigem que plataformas como a HBO ou a Netflix tenham 30% de conteúdos europeus, a Cofina espera “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador”, após a compra da Media Capital, dona da Plural, produtora de conteúdos.

Cofina envia carta aos trabalhadores a garantir que “linhas editoriais” serão mantidas 

Presidente do conselho de administração da Cofina pretende que “todos os profissionais” estejam dispostos a colaborar no novo projeto. “Foi concluído um importante passo no sentido de assegurar o desenvolvimento e o crescimento da empresa e a sua sustentabilidade futura”, diz Paulo Fernandes.
Recomendadas

Prémios ‘Grandes Escolhas’ elegeram os melhores vinhos nacionais de 2019

A entrega destes 30 prémios decorreu, num jantar em Sangalhos, Anadia, numa cerimónia que pretendeu reconhecer os grandes protagonistas do mundo da enologia e da gastronomia nacionais.

SunEnergy instala 345 painéis solares nos Armazéns Reis de Aveiro

Este contrato de autoconsumo com os Armazéns Reis, empresa que se dedica ao comércio e distribuição de materiais de construção, ‘bricolage’, decoração e jardim, vai permitir uma poupança de 15 mil euros em energia, todos os anos.

Secil com expetativas positivas para 2020 no setor do cimento

De acordo com as estatísticas, o mercado de cimentos em Portugal em 2019 terá crescido cerca de 15% comparativamente ao período homólogo.
Comentários