Coimbra Business School abraça tecnologia e transmite aulas presenciais em tempo real

As inovações tecnológicas que a escola está a pôr em prática desde março de 2020 não colocam em causa a prioridade que, sempre que possível, deve ser dada ao ensino presencial, diz o presidente, Pedro Costa.

Fachada do ISCAC, em Coimbra

A Coimbra Business School instalou um sistema de ecrãs digitais interativos em todas as salas de aulas para que todo o ensino ministrado seja, em simultâneo, presencial e lecionado à distância em tempo real. Os conteúdos incluem projeções ou o que o professor escreve no “quadro” (na verdade, um ecrã), podendo os estudantes fazer perguntas em direto e debater com os docentes e com os colegas que estão junto deles o que está a ser apresentado.

Além dos monitores interativos, a Coimbra Business School está equipada com câmaras de vídeo e sistemas de som em todas as salas de aula.

As inovações tecnológicas que a escola está a colocar em prática desde o confinamento de março de 2020 não colocam em causa a prioridade que, sempre que possível, deve ser dada ao ensino presencial, diz o presidente, Pedro Costa. “A experiência académica presencial é mais do que os conteúdos a lecionar e muito mais do que relação aluno-professor”, afirma, justificando: “o ensino nas plataformas digitais tem muitas vantagens e tornou-se, pensamos nós, estrutural e indispensável: mas não consegue ser uma experiência académica integral – e, por isso, não a substitui.”

Com ou sem pandemia, seja em que doses for, o ensino superior do futuro terá sempre de ser um ‘mix’ entre ensino-presencial e o ensino-digital, diz Pedro Costa.

Neste momento, a prioridade da Coimbra Business School é apoiar os estudantes que tenham dificuldades de acesso à rede ou equipamentos informáticos com pouca capacidade. “Sobretudo nesta altura, não podemos deixar ninguém de fora”, afirma. “É fulcral não deixarmos acentuar as diferenças socioeconómicas que, inevitavelmente, surgem com o aumento da dependência tecnológica do ensino à distância”.

Em 10 de março de 2020, a Coimbra Business School foi dos primeiros estabelecimentos do ensino superior a suspender as aulas presenciais. Três dias depois, já docentes ensinavam a partir de sua casa e interagiam com os alunos. Poucas semanas depois 504 turmas tinham 100% de aulas à distância, um processo que envolveu 3.500 estudantes e 500 docentes e investigadores.

“Com as medidas adotadas, até hoje não há evidências de contágios Covid-19 nas aulas presenciais da Coimbra Business School”, garante a escola de negócios.

Ler mais
Recomendadas

Ministro da Educação: “A nossa prioridade é voltar à escola”

No Parlamento, Tiago Brandão Rodrigues voltou a defender esta quarta-feira, que as escolas são locais seguros, mas não avançou data para o regresso. Revelou que nos testes a três mil alunos do secundário e funcionários antes da interrupção letiva nos concelhos de risco, foram detetados 25 casos de Covid-19.

Professores portugueses para escolas timorenses devem chegar em março

Os 108 professores juntam-se a outros 33 que já estão em Timor-Leste, destacados nos Centros de Aprendizagem e Formação Escolar (CAFE), um projeto luso-timorense para a requalificação do ensino timorense em língua portuguesa.

Alunos regressam esta segunda-feira ao ensino a distância

As escolas tanto públicas como privadas, alteraram alguns procedimentos e estão, no geral, mais bem preparados, mas os diretores e os sindicatos de professores admitem que os problemas estão longe de resolvidos. Computadores e dificuldades no acesso à internet na lista do que está em falta.
Comentários