Colisão entre Itália e UE castiga bolsas europeias. BCP lidera perdas no PSI 20

No rescaldo das eleições presidenciais no Brasil, Itália e a sua situação político‐orçamental voltam a preocupar os investidores.

Daniel Munoz/Reuters

A bolsa portuguesa continua a negociar no ‘vermelho’, a meio da sessão desta segunda-feira, dia 8 de outubro, com todas as cotadas em queda, à exceção da Sonae Capital e da Ibersol. O principal índice do mercado, PSI 20, acompanha a Europa e perde 1,25%, para 5.138,87 pontos. No rescaldo das eleições presidenciais no Brasil, Itália e a sua situação político‐orçamental voltam a preocupar os investidores.

O setor da banca é o mais penalizado pela incerteza em Itália. Ramiro Loureiro, analista de mercados do Mtrader, do Millennium BCP, indica que “a maioria dos principais bancos italianos perde mais de 4% esta manhã e os juros da dívida italiana a 10 anos ultrapassam os 3,5% pela primeira vez em quatro anos”. A seguir a tendência dos pares italianos, o BCP cai 3,08% para 0,226 euros.

Pressionados pelo sentimento negativo da Europa estão também o setor da energia e do retalho. No setor energético, a EDP perde 0,22% para 3,178 euros, a EDP Renováveis recua 0,06% para 8,520 euros, a Galp Energia desvaloriza 1,71% para 16,410 euros e a REN deprecia 0,08% para 2,382 euros. No retalho, a Sonae resvala 0,29% para 0,858 euros e a Jerónimo Martins cai 0,74% para 11,410 euros.

De salientar que esta segunda-feira começou a oferta pública de venda (OPV) das ações da Sonae MC, que engloba os negócios de retalho e imobiliário do grupo Sonae. Apesar de a operação ser benéfica para todo o grupo liderado por Paulo Azevedo, a entrada da empresa em bolsa não se está a refletir como esperado na cotação em bolsa da casa-mãe.

Em terreno negativo seguem ainda a NOS (-2,32%), a Mota-Engil (-2,44%), a Pharol (-1,94%), a Altri (-2,94%), a Semapa (-1,05%), a Navigator (-2,37%), a Corticeira Amorim (-0,54%), os CTT (-0,36%) e a F. Ramada (-0,51%).

No ‘verde’, negoceiam a Ibersol, que ganha 0,66% para 9,140 euros, e a Sonae Capital, que avança 2,86% para 0,720 euros.

“As praças europeias negoceiam em baixa a meio da sessão desta segunda-feira, no rescaldo das eleições presidenciais brasileiras no último domingo”, indica Ramiro Loureiro, acrescentando que as bolsas europeias e, em particular o setor da banca, estão a ser castigados pela “colisão entre o governo italiano e a União Europeia relativamente à meta de défice a ser inscrita no Orçamento do Estado para 2019”.

Tendo em conta a situação político‐orçamental incerta em Itália, o euro também se vai ressentindo, ao depreciar 0,37% face ao dólar para 1,148 dólares. Já a libra cai 0,58% para 1,304 euros.

No setor petrolífero, a cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, perde 1,41% para 82,97 euros, enquanto a cotação do crude WTI recua 1,21%, para 73,44 dólares por barril.

Ler mais
Relacionadas

Sonae negoceia ‘flat’ no início da venda de ações do negócio de retalho

Tanto investidores de retalho como institucionais têm acesso às ações da Sonae MC a partir desta segunda-feira. A oferta de retalho termina a 17 de outubro e a oferta institucional no dia seguinte.

BCP e papeleiras pressionam abertura do PSI 20

O principal índice português, PSI 20, perde 0,48% para 5.179,02 pontos, pressionado pelas quedas do BCP e papeleiras.
Recomendadas

OPEP critica recusa dos Estados Unidos em permitir aumento do petróleo

“Lançamos um diálogo energético com os Estados Unidos e temo-nos encontrado com diversas empresas do setor norte-americano. Acreditamos que as decisões que tomamos são, não só boas para a OPEP, como também para os produtores e ainda para os países consumidores”, sublinhou.

Onda negativa varre bolsas europeias. Lisboa cai mais de 1%

Pela terceira sessão consecutiva o índice lisboeta caiu. Hoje Lisboa acompanhou as principais praças europeias, mas liderando nas quedas. O petróleo cai e os juros melhoram.

Wall Street em baixa à espera do resultado da reunião da Fed

Possível anúncio das subidas das taxas de juro na quarta-feira já afetou o sentimento dos investidores. É o pior mês de dezembro de Wall Street em 16 anos devido à conjuntura económica.
Comentários