Colisão entre Itália e UE castiga bolsas europeias. BCP lidera perdas no PSI 20

No rescaldo das eleições presidenciais no Brasil, Itália e a sua situação político‐orçamental voltam a preocupar os investidores.

Daniel Munoz/Reuters

A bolsa portuguesa continua a negociar no ‘vermelho’, a meio da sessão desta segunda-feira, dia 8 de outubro, com todas as cotadas em queda, à exceção da Sonae Capital e da Ibersol. O principal índice do mercado, PSI 20, acompanha a Europa e perde 1,25%, para 5.138,87 pontos. No rescaldo das eleições presidenciais no Brasil, Itália e a sua situação político‐orçamental voltam a preocupar os investidores.

O setor da banca é o mais penalizado pela incerteza em Itália. Ramiro Loureiro, analista de mercados do Mtrader, do Millennium BCP, indica que “a maioria dos principais bancos italianos perde mais de 4% esta manhã e os juros da dívida italiana a 10 anos ultrapassam os 3,5% pela primeira vez em quatro anos”. A seguir a tendência dos pares italianos, o BCP cai 3,08% para 0,226 euros.

Pressionados pelo sentimento negativo da Europa estão também o setor da energia e do retalho. No setor energético, a EDP perde 0,22% para 3,178 euros, a EDP Renováveis recua 0,06% para 8,520 euros, a Galp Energia desvaloriza 1,71% para 16,410 euros e a REN deprecia 0,08% para 2,382 euros. No retalho, a Sonae resvala 0,29% para 0,858 euros e a Jerónimo Martins cai 0,74% para 11,410 euros.

De salientar que esta segunda-feira começou a oferta pública de venda (OPV) das ações da Sonae MC, que engloba os negócios de retalho e imobiliário do grupo Sonae. Apesar de a operação ser benéfica para todo o grupo liderado por Paulo Azevedo, a entrada da empresa em bolsa não se está a refletir como esperado na cotação em bolsa da casa-mãe.

Em terreno negativo seguem ainda a NOS (-2,32%), a Mota-Engil (-2,44%), a Pharol (-1,94%), a Altri (-2,94%), a Semapa (-1,05%), a Navigator (-2,37%), a Corticeira Amorim (-0,54%), os CTT (-0,36%) e a F. Ramada (-0,51%).

No ‘verde’, negoceiam a Ibersol, que ganha 0,66% para 9,140 euros, e a Sonae Capital, que avança 2,86% para 0,720 euros.

“As praças europeias negoceiam em baixa a meio da sessão desta segunda-feira, no rescaldo das eleições presidenciais brasileiras no último domingo”, indica Ramiro Loureiro, acrescentando que as bolsas europeias e, em particular o setor da banca, estão a ser castigados pela “colisão entre o governo italiano e a União Europeia relativamente à meta de défice a ser inscrita no Orçamento do Estado para 2019”.

Tendo em conta a situação político‐orçamental incerta em Itália, o euro também se vai ressentindo, ao depreciar 0,37% face ao dólar para 1,148 dólares. Já a libra cai 0,58% para 1,304 euros.

No setor petrolífero, a cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, perde 1,41% para 82,97 euros, enquanto a cotação do crude WTI recua 1,21%, para 73,44 dólares por barril.

Ler mais
Relacionadas

Sonae negoceia ‘flat’ no início da venda de ações do negócio de retalho

Tanto investidores de retalho como institucionais têm acesso às ações da Sonae MC a partir desta segunda-feira. A oferta de retalho termina a 17 de outubro e a oferta institucional no dia seguinte.

BCP e papeleiras pressionam abertura do PSI 20

O principal índice português, PSI 20, perde 0,48% para 5.179,02 pontos, pressionado pelas quedas do BCP e papeleiras.
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários