Colt está a recrutar ‘software developers’ e técnicos especializados

A Colt Technology Services está presente em Portugal desde 2002. A operação portuguesa passa hoje por três centros de competências distintos. Em Portugal, a empresa tem 830 quilómetros de fibra ótica que ligam 12 data centers e mais de 760 edifícios de empresas em Lisboa, Oeiras e Porto.

Foto cedida

A britânica Colt Technology Services quer reforçar os três centros de desenvolvimento que tem em Portugal e, por isso, está à procura de software developers e técnicos especializados em desenvolvimento, revelou a empresa esta segunda-feira. Apesar de não revelar o número de vagas disponíveis, o reforço pretendido visa fortalecer a oferta SD WAN da empresa.

Em comunicado, a Colt Portugal adianta que “tem efetuado um forte investimento” no desenvolvimento do seu portefólio SD WAN (software que controla as definições de tráfego de rede de forma a criar-se uma sobreposição virtual para permitir a conectividade no âmbito de redes WAN). Nesse sentido, criou uma “linha branca” para a sua oferta, como forma de “acelerar ainda mais o ritmo” da transformação digital das empresas-cliente, nomeadamente players grossistas das áreas das tecnologias e telecomunicações.

Segundo o country manager da Colt Portugal e vice-presidente global service delivery da Colt, Carlos Jesus, “o mercado SD WAN tem vindo a registar um forte crescimento à medida que há cada vez mais as empresas a implementarem o SD WAN para impulsionarem os níveis de agilidade e para suportarem as suas aplicações na cloud”.

Por isso, o gestor salienta que “a campanha de recrutamento em curso visa reforçar a capacidade global de desenvolvimento de soluções inovadoras nesta área, e na qual os três centros de desenvolvimento em Portugal já ocupam uma posição muito relevante”.

A Colt está em Portugal desde 2002. A subsidiária portuguesa abriu o primeiro centro de competências (o Premium Network Services) em 2016, seguindo-se a criação de dois novos centros em 2018 e 2020 – o Language Technical Resolution Centre e o centro de desenvolvimento de tecnologias das redes Software Defined Networks e Network Function Virtualization, respetivamente.

Em Portugal, a empresa tem 830 quilómetros de fibra que ligam 12 data centers e mais de 760 edifícios de empresas nas cidades de Lisboa, Oeiras e Porto.

Ler mais
Recomendadas

Carlos Ribas: “Não fosse esta situação dos componentes e este ano seria o melhor de sempre em vendas da Bosch em Braga”

Bosch fechou 2020 com uma quebra homóloga de 10%, para 1,6 mil milhões de euros, nas vendas em Portugal. Em entrevista ao Jornal Económico o representante do grupo alemão em Portugal, Carlos Ribas, justifica o decréscimo com o impacto da pandemia nas operações, sobretudo na divisão automóvel em Braga.

Startup inspira-se num dos maiores IPO da Europa para expandir mercado dos cacifos inteligentes

A empresa portuguesa Bloq.it prepara-se para fechar este mês uma ronda de investimento ‘seed’ de 550 mil euros, disse ao Jornal Económico o cofundador João Lopes. Mais do que guardar malas, os cacifos que se abrem com QR code são uma mais-valia para o negócio das entregas.

Grupo de trabalho defende subida de taxa nas barragens da Engie no rio Douro

Três das barragens pagam atualmente 67 mil euros por ano, mas com uma atualização da taxa passariam a pagar 751 mil euros anuais. Parte da receita da taxa de recursos hídricos deve ser usada no “apoio de projetos no território” impactado pelas barragens, defende o documento.
Comentários