Com fim da concessão à vista, Governo não exclui entrada no capital dos CTT

Com ou sem Estado no capital dos CTT, Alberto Souto de Miranda garantiu que o serviço de correios não será revisto “com olhos do passado” e considerou “urgente” repensar o serviço universal postal”.

Secretário de Estado das Comunicações, Alberto Souto de Miranda | Foto cedida

O contrato de concessão do serviço universal postal firmado entre o Estado com os CTT vai terminar em dezembro de 2020 e, a esta distância, o Governo não exclui a opção de entrar no capital da operadora postal, privatizada em 2014, de acordo com as afirmações do secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Alberto Souto de Miranda, esta quinta-feira, no 29.º congresso da APDC, em Lisboa.

No discurso que precedeu o painel “O Estado da Nação e das Comunicações”, Souto de Miranda disse que pretende-se “conseguir um contrato de concessão robusto e adequado”.

“A presença do Estado nos CTT, seja qual for a decisão – que não vou anunciar aqui hoje – , não é, necessariamente, a única maneira de o Estado alcançar objetivos públicos relevantes”, prosseguiu.

Para sustentar o argumento, Souto de Miranda lembrou que na União Europeia apenas quatro Estados estão fora do capital de uma empresa que detenha o serviço universal postal.

“Participar no capital ou conseguir um contrato de concessão robusto adequado ao nosso momento histórico são, por isso, questões em aberto”, afirmou o governante.

Com ou sem Estado no capital dos CTT, Alberto Souto de Miranda garantiu que o serviço de correios não será revisto “com olhos do passado” e considerou “urgente” repensar o serviço universal postal”.

“A Anacom vai lançar essa consulta pública muito em breve”, revelou o governante.

Na quarta-feira, o presidente da Autoridade Nacional das Comunicações (Anacom), João Cadete de Matos pediu um novo enquadramento legal e regulatório ao serviço postal no país.

“Estando previsto para dezembro de 2020 o fim da atual concessão do serviço postal universal, consideramos essencial uma preparação cuidada do novo enquadramento legal e regulatório que permita assegurar a continuação de um serviço postal de qualidade, que dê resposta efetiva às necessidades do país, após essa data”, disse, no seu discurso na sessão de abertura do congresso da APDC.

 

Ler mais
Relacionadas

Bruxelas diz que “não há nenhum impedimento a que o Estado retome o controlo dos CTT”

“A União Europeia deixa claro o que já se sabia, mas agora está escrito”, afirmou ao Jornal Económico o eurodeputado eleito pela CDU Miguel Viegas, após ter recebido a resposta da Comissão Europeia à interpelação que fez em janeiro sobre a renacionalização dos CTT – Correios de Portugal.

Contrato de concessão dos CTT para serviço postal universal termina em dezembro de 2020

O encerramento de lojas dos CTT tem gerado grande contestação no país, sendo que em janeiro último a Anacom indicou que era “expectável” que o número de concelhos sem estações de correio suba para 48 no curto prazo, contra 33 no final de 2018.
Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Grupo Os Mosqueteiros investe 25,3 milhões para abrir mais seis lojas Intermarché em Portugal

Este investimento irá permitir a criação de 265 novos postos de trabalho de norte a sul do país, asseguram os responsáveis do grupo francês de distribuição.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.
Comentários