Com mercado livreiro saturado, títulos com palavrões ajudam a vender

Especialista diz que o mercado português é muito competitivo onde existem “muitos livros para poucos leitores”.

Com o mercado livreiro em queda – regrediu 21,5% nos últimos dez anos -, o uso de palavrões nos títulos de romances, manuais de autoajuda, livros de dieta ou até manuais de gestão não só são uma nova tendência, como ajudam a vender, de acordo com o “Jornal de Notícias” desta terça-feira, 13 de agosto.

Citado pelo jornal da Global Media, o consultor editorial sénior da “Booktailors”, Tito Couto, aponta que é o facto de o mercado livreiro estar saturado a possível razão do porquê de títulos obscenos terem tanto sucesso.

Tito Couto afirma que o mercado português é muito competitivo onde existem “muitos livros para poucos leitores”.

Portugal não é estranho a este tipo de títulos. Livros de sucesso como o “discurso sobre o filho da puta” (1977) de Alberto Pimenta, e “o amor é fodido” (1994) de Miguel Esteves Cardoso, indicam que o público português tem “apetite” por títulos mais obscenos e, naturalmente, estes acabam por ter um maior destaque.

 

Recomendadas

Marques Mendes diz que Luanda Papers é tsunami para Isabel dos Santos

O comentador da SIC diz que em Angola a solução é negociar, e que em Portugal existe uma questão sensível que é o Eurobic. Sobre a eleição de Rui Rio, Marques Mendes diz que teve uma “vitória clara”.

Leia aqui os documentos do Luanda Leaks

Os Luanda Leaks têm 715 mil documentos, entre e-mails, contratos, auditorias, e contas que foram obtidas por uma plataforma de denunciantes em África (PPLAAF), que depois foi partilhada com a ICIJ. Veja aqui os documentos que foram revelados este domingo.

Isabel dos Santos diz que Luanda Leaks é baseado em documentos falsos e coordenado por governo de Angola

O Luanda Leaks revelou 715 mil documentos, de um consórcio de jornalistas de investigação, que mostram como Isabel dos Santos construiu a sua fortuna à custa do Estado de Angola.
Comentários