Com mercado livreiro saturado, títulos com palavrões ajudam a vender

Especialista diz que o mercado português é muito competitivo onde existem “muitos livros para poucos leitores”.

Com o mercado livreiro em queda – regrediu 21,5% nos últimos dez anos -, o uso de palavrões nos títulos de romances, manuais de autoajuda, livros de dieta ou até manuais de gestão não só são uma nova tendência, como ajudam a vender, de acordo com o “Jornal de Notícias” desta terça-feira, 13 de agosto.

Citado pelo jornal da Global Media, o consultor editorial sénior da “Booktailors”, Tito Couto, aponta que é o facto de o mercado livreiro estar saturado a possível razão do porquê de títulos obscenos terem tanto sucesso.

Tito Couto afirma que o mercado português é muito competitivo onde existem “muitos livros para poucos leitores”.

Portugal não é estranho a este tipo de títulos. Livros de sucesso como o “discurso sobre o filho da puta” (1977) de Alberto Pimenta, e “o amor é fodido” (1994) de Miguel Esteves Cardoso, indicam que o público português tem “apetite” por títulos mais obscenos e, naturalmente, estes acabam por ter um maior destaque.

 

Recomendadas

Unidades de investigação nacionais captaram mais 34 milhões de euros de fundos comunitários

As áreas da saúde e da engenharia representam 77% dos novos projetos aprovados no programa ‘Widening’ do Horizonte 2020.

Cristiano Ronaldo e Jorge Mendes doam cinco ventiladores à Madeira

Para o Governo Regional, “a cedência destes equipamentos ao SESARAM e à Região vai aumentar a capacidade de resposta ao doente crítico no combate à pandemia”, juntando-se aos 99 ventiladores de que a região dispõe.

Governo legaliza estrangeiros em situação irregular 

O diploma “determina que a gestão dos atendimentos e agendamentos seja feita de forma a garantir inequivocamente os direitos de todos os cidadãos estrangeiros com processos pendentes no SEF, no âmbito da covid-19” e argumenta com a necessidade de dar resposta aos pedidos destes estrangeiros em Portugal em situação irregular.
Comentários