Comemorações do 10 de Junho terminam em Cabo Verde

Entre o desfile das Forças Armadas, um passeio a pé, um concerto do cantor cabo-verdiano Tito Paris e da fadista portuguesa Raquel Tavares ou a inauguração de um parque desportivo, a agenda de Marcelo Rebelo de Sousa e dos governantes e deputados que o acompanham está preenchida.

Miguel A. Lopes / Lusa

O Presidente da República Portuguesa chega esta segunda-feira à tarde a Cabo Verde para fechar as comemorações do Dia de Camões, de Portugal e das Comunidades Portuguesas, que começaram no domingo em Portalegre, com uma cerimónia de içar da bandeira nacional.

Em Cabo Verde, as celebrações têm lugar na Cidade da Praia e no Mindelo, onde Marcelo Rebelo Sousa e o primeiro-ministro português terão a agenda preenchida. À semelhança do que aconteceu em Portugal, as cerimónias terminam com um desfile das Forças Armadas cabo-verdianas e portuguesas na Praça Amílcar Cabral, no Mindelo.

Na Cidade da Praia, o Presidente Marcelo Rebelo Sousa inicia as comemorações do 10 de Junho com a inauguração do Parque Desportivo da Escola Portuguesa de Cabo Verde e, logo de seguida, proceder-se-á à receção da comunidade portuguesa residente, que contará com a animação de um concerto musical do cantor cabo-verdiano Tito Paris e da fadista portuguesa Raquel Tavares.

O programa no Mindelo inclui também uma visita a uma exposição de arte contemporânea, um passeio a pé, um almoço com autoridades locais numa fragata da Marinha Portuguesa e um convívio com jovens desportistas na companhia do futebolista Eliseu, ex-jogador do Benfica, que tem dupla nacionalidade e integrou a Seleção Nacional que foi campeã da Europa em 2016.

Em Cabo Verde, além do chefe de Estado português e estarão ainda o primeiro-ministro, António Costa, os ministros da Educação e da Defesa Nacional, Tiago Brandão Rodrigues e João Gomes Cravinho, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, e os deputados Feliciano Barreiras Duarte (PSD), Carlos Pereira (PS), Maria Manuel Rola (Bloco de Esquerda), Pedro Mota Soares (CDS-PP) e João Dias (PCP).

Em Cabo Verde residem 21.553 portugueses e, pela primeira vez, a comunidade residente será organizada e representada através de uma associação, que vai chamar-se: Associação Recreativa dos Portugueses em Santiago (ARPS). Uma das maiores impulsionadoras desta organização e vice-presidente cultural da ARPS é Helena Amante, que explicou à agência Lusa que a associação propõe-se ser “aglutinadora dos portugueses a residir na Praia e na ilha de Santiago, porque era um espaço que não existia”.

Ler mais
Relacionadas

Marcelo afirma que não podem ser minimizadas corrupções, falências da justiça ou indignações

Num discurso um pouco mais longo do que tem feito nestas cerimónias, o chefe de Estado, durante cerca de 15 minutos, falou sobre múltiplos casos de sucesso de portugueses no mundo, muitos dos quais são desconhecidos por parte da generalidade dos cidadãos nacionais.

Presidente da República diz que comemorar o 10 de junho é fazer “o culto da pátria”

O Presidente da República afirmou este domingo, 9 de junho, que as comemorações do 10 de Junho são em primeiro lugar “o culto da pátria”, frisando que Portugal cultiva o seu passado, mas é um projeto virado para o futuro.

Presidente: “É talvez o programa do 10 de junho mais completo desde que começou”

Marcelo Rebelo de Sousa garante já ter afinado os detalhes da programação com o seu homólogo cabo-verdiano.
Recomendadas

Cabo Verde regista mais um óbito e 367 infetados em 24 horas

Cabo Verde registou mais 367 novos infetados pelo novo coronavírus e um óbito em São Vicente nas últimas 24 horas, chegando às 230 mortes associados à doença.

António Costa destaca importância do acordo de mobilidade da CPLP para promover português

“Hoje já somos 260 milhões de falantes que representam quase 5 por cento do PIB global”, recordou o primeiro-ministro português.

António Sampaio da Nóvoa: “É difícil identificar um património mais importante do que a língua portuguesa”

Comemora-se esta quarta-feira o Dia Mundial da Língua Portuguesa. António Sampaio da Nóvoa, embaixador de Portugal na UNESCO, grande impulsionador desta proclamação, destaca em entrevista ao Jornal Económico o valor único deste património.
Comentários