Comissão Europeia vai emitir 800 mil milhões de euros em dívida. Qual é a estratégia?

A Comissão Europeia quer emitir 150 mil milhões de euros por ano, em média, até 2026 para financiar o NextGeneration EU. Leilões de Obrigações e títulos de curto prazo e vendas sindicadas estão previstas na estratégia, cujas primeira emissão prevista para o verão, aguarda a decisão de recursos próprios dos Estados-membros.

A Comissão Europeia acordou esta semana financiar-se nos mercados em até cerca de 800 mil milhões de euros até ao final de 2026, a um ritmo médio de 150 mil milhões de euros por ano, para financiar o pacote de recuperação europeu.

“Embora a Comissão já tenha contraído empréstimos noutras ocasiões — para apoiar Estados-Membros e países terceiros — os volumes, a frequência e a complexidade dos empréstimos associados ao NextGenerationEU exigiram uma mudança fundamental da abordagem aos mercados de capitais”, afirmou Bruxelas.

Esta é a primeira emissão de dívida em nome da União Europeia?

Não, a Comissão Europeia já emitiu dívida anteriormente. Contudo, é a primeira vez que se financia nos mercados de capitais nestes volumes e com esta frequência. Até agora, Bruxelas tem emitido obrigações e transferido as receitas diretamente para o país beneficiário nas mesmas condições que obteve, ou seja em termos de taxa de juro e de prazo de vencimento. Contudo, dada a dimensão, a Comissão Europeia vai apostar numa “estratégia de financiamento diversificada”.

O que a Comissão quer prever na estratégia de financiamento?

A comunicação dos volumes anuais dos empréstimos a contrair e dos parâmetros fundamentais do plano semestral de financiamento, relações estruturadas e transparentes com os bancos que apoiam o programa, recurso a leilões e consórcios e obrigações de médio e longo prazo, algumas das quais dívida verde e instrumentos financeiros de curto prazo são alguns dos elementos apontados pela instituição presidida por Ursula von der Leyen.

Qual é a estratégia para a emissão das Obrigações da União?

No que toca às obrigações da União Europeia, Bruxelas assinala que “para executarem os seus planos de financiamento, os emitentes recorrem, principalmente, à emissão de obrigações com prazos de vencimento de referência (três, cinco, sete, dez, 15, 20, 25 e 30 anos)”, salientando que já emitiu obrigações de referência com diferentes prazos de vencimento (de 5 a 30 anos) no âmbito do programa SURE.

“Em vez de emitir novas obrigações com novos prazos de vencimento, a Comissão aumentará, sempre que possível, o montante das obrigações já emitidas. Deste modo, o montante pendente das obrigações fará aumentar a liquidez destas no contexto da negociação no mercado secundário, tornando-as, assim, mais atrativas para os investidores”, explica.

A Comissão também vai emitir dívida de curto prazo?

Está prevista a emissão de títulos com um prazo de vencimento inferior a um ano. “Em consonância com a prática de mercado comum, a Comissão recorrerá a leilões para emitir estes instrumentos financeiros de curto prazo da União Europeia”, indica.

A Comissão vai fazer vendas sindicadas?

Segundo a proposta, Bruxelas prevê utilizar consórcios, ou sindicações, “para uma parte substancial das futuras emissões de obrigações NextGenerationEU e outras obrigações”. No entanto, também continuará a fazer leilões, que indicada “serão realizados por uma das melhores plataformas de leilões, para assegurar a eficácia em termos de custos destas novas operações de financiamento”.

O que é a rede de corretores principais da União?

A Comissão indica que irá criar uma rede de corretores principais “para facilitar a realização eficiente de leilões e transações agrupadas” e “promover a liquidez nos mercados secundários e assegurar a colocação da nossa dívida junto da maior base possível de investidores”. Os bancos que irão integrar a rede de corretoras serão selecionados devem ser uma entidade jurídica estabelecida e com sede na União ou num país do Espaço Económico Europeu, ser uma instituição de crédito autorizada a exercer as suas atividades na União e supervisionada por uma autoridade competente e ser um corretor principal designado por outro emitente europeu, devendo comprometer-se a comprar, pelo menos, 0,05 % do volume a leiloar.

Ler mais

Recomendadas

Notícias sobre a morte do carvão ainda são exageradas

O uso do carvão para a produção de eletricidade está a acabar em Portugal e em declínio no mundo ocidental, mas vai voltar a aumentar na Ásia.

Mais de metade das embalagens de pesticidas por recolher em 2020, alerta Zero

Mais de metade das embalagens de pesticidas ficaram por recolher em 2020, representando cerca de 480 toneladas, alertou este domingo a associação ambientalista Zero em comunicado.

Perdas de empresa de Luís Filipe Vieira custam 181 milhões de euros aos contribuintes

Entre julho de 2016 e até final de 2018, os créditos da Promovalor deram ao Novo Banco perdas de 181 milhões de euros, mas como estes créditos estavam abrangidos pelo Acordo de Capitalização Contingente (ACC), foram os contribuintes que tiveram de pagar ao NB.
Comentários