PremiumComissões representam um terço das receitas dos bancos nacionais

Limitações propostas na cobrança de comissões podem levar a despedimentos na banca. Setor tem maior desequilíbrio na concorrência entre bancos e novos ‘players’ digitais na captação de clientes.

A aprovação na generalidade dos projetos de lei do PS e PSD que limitam a cobrança de comissões bancárias, é um dos mais recentes riscos para a rentabilidade da banca nacional. Contas feitas, entre os quatro principais bancos que já apresentaram resultados anuais, as receitas com as comissões representaram cerca de 32% das receitas totais (que incluem outras que não estão em discussão parlamentar). São mais de 1.500 milhões de euros.

O impacto que as alterações legistivas, discutidas e votadas na quinta-feira na Assembleia da República, podem ter nos resultados dos bancos é ainda uma incógnita. Segue-se agora a discussão na Comissão de Orçamento e Finanças (COF) das propostas aprovadas, a que se juntam as do PCP, PAN e BE que proibem as comissões no MB Way e outros serviços, que desceram à comissão sem votação. “Não temos esses números”, disse fonte da Associação Portuguesa de Bancos (APB). “Pelas regras da concorrência, não podemos falar sobre questões comerciais”, explicou ao JE.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

António Domingues demite-se da vice-presidência do BFA

António Domingues escreveu uma carta ao Banco Nacional de Angola (BNA) a dar conhecimento dos motivos da sua demissão da vice-presidência da BFA.

Bankinter lança conta para bancarizar crianças

“Com este lançamento, o Bankinter tem ainda o objetivo de contribuir, em conjunto com os pais, para a autonomia e responsabilidade financeiras dos jovens”, refere o comunicado.

João Rendeiro, ex-presidente do BPP condenado a 5 anos e 8 meses de prisão

A notícia está a ser avançada pela SIC. A decisão do Tribunal da Relação condena João Rendeiro, ex-presidente do Banco Privado Português a uma pena efetiva de prisão de cinco anos e oito meses. Paulo Guichard, ex-administrador do BPP foi condenado a prisão efectiva de quatro anos e oito meses. O caso do banco vocacionado para a gestão de fortunas rebentou em 2008.
Comentários