Commerzbank agrava prejuízos para 394 milhões de euros no primeiro semestre

O Commerzbank, segundo maior banco comercial privado da Alemanha, informou que as receitas totais melhoraram no primeiro semestre para 4.353 milhões de euros (+5,5%).

O Commerzbank, parcialmente nacionalizado, registou um prejuízo de 394 milhões de euros até junho, superior às perdas de 107 milhões de euros verificadas no mesmo período de 2020, devido a custos de reestruturação, foi hoje anunciado.

Num comunicado hoje divulgado, o Commerzbank, segundo maior banco comercial privado da Alemanha, informou que as receitas totais melhoraram no primeiro semestre para 4.353 milhões de euros (+5,5%).

O rendimento líquido de juros caiu para 2.427 milhões de euros (-6,6%), mas os rendimentos de comissões subiram para 1.803 milhões de euros (+8,1%).

A entidade também reduziu as provisões para crédito malparado para 235 milhões de euros, menos 70,4% do que há um ano (795 milhões de euros).

O Commerzbank teve custos de reestruturação de 976 milhões de euros até junho devido aos 10.000 postos de trabalho que deverá cortar até 2024.

Mas registou um lucro operacional de 570 milhões de euros, em comparação com uma perda de 74 milhões de euros no primeiro semestre de 2020.

“Conseguimos um resultado operacional sólido no primeiro semestre do ano. A implementação da estratégia está no bom caminho. Estamos a avançar com todas as iniciativas estratégicas e estamos também preparados para tomar decisões difíceis”, disse o presidente executivo (CEO, Chief Executive Officer), Manfred Knof.

O Commerzbank tem um rácio de capital próprio comum de alta qualidade para ativos ponderados pelo risco (CET 1) de 13,4% (13,4% um ano antes) e um rácio de eficiência de 81,5% (82,5% na primeira metade de 2020).

A diretora financeira, Bettina Orlopp, salientou que, no segundo trimestre, o rácio de capital CET 1 permaneceu estável apesar dos elevados efeitos pontuais e custos de reestruturação, o que mostra que o Commerzbank tem uma base muito forte para a transformação.

O Commerzbank espera um pequeno aumento nas receitas, lucro operacional, custos operacionais de 6,5 mil milhões de euros e provisões de menos de mil milhões de euros este ano, embora a incerteza se mantenha devido à pandemia.

Estas previsões dependerão de não haver alterações na carteira de empréstimos do banco polaco mBank em francos suíços.

Recomendadas

Dados da ‘fintech’ do grupo Alibaba vão ser integrados no banco central chinês

A imprensa chinesa informou anteriormente que muitos dos utilizadores do serviço de pagamento receberam um aviso através da aplicação móvel, instando-os a aceitar os novos termos de utilizador, que incluem partilhar as suas informações de crédito com o Banco Popular da China (banco central).

Bancos do sul da Europa mais expostos a empresas com riscos devido a alterações climáticas

O Banco Central Europeu (BCE) advertiu hoje que os bancos dos países do sul da Europa, como a Grécia, Chipre, Portugal, Espanha e Malta, estão mais expostos a empresas com riscos mais elevados devido às alterações climáticas.

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.
Comentários