Commerzbank encerra filial de Barcelona e quer vender a do Brasil

Ao apresentar os resultados de 2020, o Commerzbank, que registou perdas de quase 2.900 milhões de euros, indicou que queria encerrar agências e representações fora da Alemanha, retirando-se de 15 pontos internacionais.

O Commerzbank, segundo banco comercial da Alemanha, parcialmente nacionalizado, vai encerrar a sua sucursal em Barcelona, o gabinete de representação na Venezuela e quer vender as suas filiais no Brasil e Hungria.

Numa entrevista publicada esta segunda-feira na intranet do banco, dois responsáveis pelos ajustamentos fora da Alemanha, Roland Boehm e Nikolaus Giesbert, referiram que o Commerzbank vai encerrar também representações no Luxemburgo, Bruxelas, Bratislava e Hong Kong.

Ao apresentar os resultados de 2020, o Commerzbank, que registou perdas de quase 2.900 milhões de euros, indicou que queria encerrar agências e representações fora da Alemanha, retirando-se de 15 pontos internacionais.

O banco quer também vender a sua filial no Brasil, criada em 2016.

O Commerzbank, que vai cortar 10.000 empregos na Alemanha até 2024, prevê estar presente em 40 países em todo o mundo e vai concentrar em Singapura as suas atividades na Ásia.

Recomendadas

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Novo Banco: Luís Filipe Vieira pede adiamento de audição devido a consulta médica

De acordo com o presidente da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, Fernando Negrão (PSD), Luís Filipe Vieira “pediu que a audição fosse adiada para uma data posterior a uma consulta que tem”.
Comentários