PremiumComo a transformação digital está a mudar os negócios

Para Sam Balaji, líder global de consultoria da Deloitte, há “grandes oportunidades” para Portugal no setor da transformação digital. Finanças, Energia, Retalho e Distribuição são os setores que mais investem.

Sam Balaji, líder global de consultoria da Deloitte, não tem duvidas: os negócios estão permanentemente em mudança porque a competição também evolui, as preferências dos clientes mudam e os trabalhadores (desde os millennials aos nativos digitais) também se alteram. “A diferença é a velocidade a que estas mudanças acontecem. A tecnologia está sempre a ser desenvolvida e, portanto, os modelos de negócio têm de adaptar à transformação digital que vai acontecendo. Se pensarmos nas grandes tendências do momento, como a Inteligência Artificial, Cloud, 5G, todas estas tecnologias vão mudar a maneira como os vários tipos de negócio operam e vão criar novos modelos num futuro próximo”, diz o especialista ao Jornal Económico.

Em relação à oferta, as companhias devem pensar em que são os clientes (e preocupar-se em estabelecer uma relação mais eficiente e personalizada) e o que esperam oferecer aos acionistas. Já em relação aos governos, o líder global de consultoria considera que “existe uma oportunidade enorme”. “Se pensarmos no número de pessoas a que um governo chega, estamos a falar de cidadãos do próprio país e estrangeiros. Penso que há um grande impacto que eles podem ter, especialmente com a componente das redes sociais e o que eu chamaria de ativismo numa série de matérias. A informação está na ponta dos dedos das pessoas, temos os chamados “nativos digitais” em todo o lado, e estes estão a mudar a maneira como pensam, a forma como as decisões são tomadas, a velocidade e a agilidade. Portanto, há um lado positivo em abraçar toda esta transformação, com o objetivo de nos tornamos melhores”, esclarece Sam Balaji.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Fusões e aquisições em Portugal caíram mas valor movimentado aumentou 5% em 2020

Apesar de ter sido (novamente) o mais ativo, o sector do imobiliário apresentou uma redução de 16% no volume de negócios, com 88 transações de compra e venda. A operação em destaque no quarto trimestre foi a conclusão da aquisição de 81,1% do capital da Brisa pelo consórcio liderado pela APG Asset Management, por 2,4 mil milhões de euros.

PremiumDuarte de Athayde: “Apesar da crise, o nosso volume de negócios subiu 13%”

O ‘managing partner’ da Abreu Advogados refere que, apesar do travão que as restrições causaram, a sociedade teve uma subida de, pelo menos, 18% na cobrança de honorários.

PremiumOrdem recebe queixas de inscrições indevidas na Segurança Social

A sustentabilidade da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores está em debate na AR. Jovens defendem que firmas devem comparticipar.
Comentários