Como gere as suas finanças pessoais? Esta é a melhor forma de planear o orçamento familiar

É comum ouvirmos falar em gestão de finanças pessoais e no orçamento familiar. Contudo, e face às dificuldades que todas as famílias atravessam, como podemos estabelecer um orçamento familiar e poupar?

A gestão das finanças pessoais é fundamental para melhor gerir os rendimentos e controlar as despesas, permitindo, ainda, poupar, acautelando imprevistos e possibilitando investimentos.

O acesso ao crédito permite que muitas famílias prosperem, comprem casa e muitos bens de consumo. Mas se é importante que os particulares tenham acesso ao crédito, o recurso ao mesmo deve ser responsável, de forma a evitar os riscos de endividamento excessivo e de sobre-endividamento.

Claro que há sempre imprevistos! Situações de desemprego, divórcio, doença, acidente ou cortes no salário levam à perda de rendimentos ou ao aumento das despesas e, logo, ao desequilíbrio das nossas finanças pessoais. Por isso, a elaboração do orçamento familiar é fundamental!

E afinal falamos de quê? O orçamento familiar é uma excelente ferramenta para organizar e disciplinar a vida financeira, possibilitando o controlo das despesas e a tomada de decisões importante, como a preparação da reforma ou a compra de casa.

Em primeiro lugar, a família deverá anotar o que ganha e o que gasta, tentando prever as despesas e as receitas futuras. É composto por duas partes:

  • RENDIMENTOS gerados pelos membros do agregado familiar (salários, pensões, subsídios, juros de depósitos, etc.);
  • DESPESAS do agregado familiar (alimentação, vestuário, habitação, etc.), incluindo um valor de poupança.

Mensalmente, ou sempre que possível, as famílias devem retirar uma parte dos seus rendimentos para uma poupança. O ideal seriam 10% do rendimento, no entanto esta avaliação terá de ser feita caso a caso. O ideal será as famílias terem um fundo de emergência (pelo, menos, 5 a 6 vezes o rendimento mensal da família) para acautelar o impacto financeiro de situações inesperada, tal como referido.

A constituição de uma poupança pode, também, ter um objetivo mais específico: a compra de bens ou serviços específicos ou a realização de uma viagem, sem que seja necessário um recurso ao crédito. Atualmente poupar deve ser uma prioridade para prevenir o futuro, como seja a constituição de um complemento de reforma, ou para apoiar a educação dos filhos ou ainda contratar um plano de saúde.

Saiba mais em: www.gasdeco.net

Ler mais
Recomendadas

Euribor mantêm-se a três, seis e 12 meses

As taxas Euribor mantiveram-se esta segunda-feira a três, seis e 12 meses em relação a sexta-feira.

Quanto custa pagar e fazer transferências com MB Way?

Face aos novos custos do MB Way, em algumas situações pode compensar mais pagar com recurso a cartões bancários. Mesmo nos pagamentos com cartões de crédito, a verdade é que estes possuem um período sem juros e muitos nem anuidade têm. É uma questão de fazer as contas.

IAD ou ITP, qual destes seguros de vida deve escolher?

Se pedir um crédito habitação vai notar que será obrigatório contratar um seguro de vida (seja o da própria instituição financeira ou mesmo o de uma outra seguradora) – muitos bancos até fazem deste requisito uma forma de o cliente ficar com um spread mais apelativo. Porém, existem dois tipos de seguros de vida: IAD ou ITP. Descubra qual deve contratar consoante o seu perfil.
Comentários