Compensa comprar produtos nacionais?

A resposta é ‘sim’ se se pensar em termos da economia nacional e ‘depende’ se a opção for pelo preço. Mas os portugueses parecem estar cada vez mais preocupados em consumir o que é português.

Compensa comprar produtos nacionais? A resposta a esta pergunta tem duas vertentes. Do ponto de vista da economia portuguesa, é sempre compensador que os consumidores optem por comprar produtos nacionais. Por duas razões: porque isso permitirá diminuir a pressão nas importações; e porque deste modo as empresas instaladas em território nacional arrecadam mais-valias importantes para a continuidade do seu negócio. Agradece o PIB e a taxa de emprego.

Já do ponto de vista do consumidor, e no que se refere principalmente aos grandes operadores do retalho, não é necessariamente assim: as economias de escala permitem que, em Portugal sejam adquiridos produtos estrangeiros idênticos aos produzidos em Portugal – tanto na indústria como na agricultura – a preços mais compensadores.

A questão está, por isso, naquilo que se poderia chamar o ‘grau de nacionalismo’ que cada consumidor incorpora nas suas decisões de compra. Recentemente, a organização Portugal Sou Eu, financiada pelo Compete 2020, apresentou os resultados de um estudo que avaliou a notoriedade do Selo ‘Portugal Sou Eu, tendo como base os hábitos de compra dos consumidores portugueses em relação à origem dos produtos, para o ano de 2017.

O estudo revela que 84,5% dos consumidores procuram – para a maior parte dos produtos ou para algumas categorias de produtos – a origem do produto. Destes, 76% procura a indicação da origem do produto ou um selo (42,8%). E 85,9% dos consumidores refere a necessidade de existir um selo que identifique que o produto é português.

Os resultados são claros e apontam para um aumento, em comparação com o estudo feito em 2014, dos consumidores que compram produtos portugueses frequentemente (65,6% em 2017 e 62,4% em 2014) e dos que tentam comprar produtos portugueses sempre que existam (68,6% em 2017 e 58,7 % em 2014).

A preocupação do consumidor em relação à origem continua a ser maior nos produtos alimentares, com 94,6% para os azeites e vinhos e mais de 80% nas frutas, legumes, pão doçaria, pastelaria, peixe, carne e derivados e queijos.

Em relação aos gastos, a maioria dos inquiridos (48,4%) gasta entre 51% a 75% da sua despesa mensal total em produtos portugueses (em 2014 registou-se 41,6%).

Já no que toca aos valores do consumidor como cidadão, os motivos que conduzem à compra revelam que 89% acredita que está a criar emprego, 87% a ajudar Portugal a ser uma economia forte, 78% a apoiar as empresas portuguesas e 77% a ajudar a melhorar o défice.

Ler mais
Recomendadas

Mesmo sem Via CTT, reembolsos do IVA e IRC não serão suspensos

Os contribuintes que tenham direito ao reembolso do IRC ou do IVA, mas que não tenham aderido ao Via CTT, receberão os reembolsos devidos mesmos que sem a situação regularizada, esclarece um despacho normativo hoje publicado em Diário da República.

CGD baixa taxa mínima do spread para 1,23%. É o sexto banco a baixar custo do crédito à habitação

Em quatro meses, desde janeiro, seis bancos já reviram em baixa o spread mínimo cobrado aos clientes. O último a fazê-lo foi a CGD, depois do EuroBic, do BPI, do Crédito Agrícola, do Santander Totta e do Montepio.

Segurança Social: A partir de hoje já pode pagar online dívidas em prestações

O pedido para pagar dívidas, que se encontrem em execução civil, em prestações à Segurança Social já pode ser feito online. A nova funcionalidade, através da Segurança Social Direta, está disponível a partir desta quinta-feira, 18 de abril.
Comentários