Concorrência acusa NOS, Meo, Vodafone e Nowo de cartel em publicidade no Google

Concorrência explica que os utilizadores, sem saberem, quando realizam pesquisas através do motor de busca Google sobre serviços de telecomunicações, colocando como palavra-chave o nome de uma das operadoras mencionadas, não encontram as propostas para o mesmo serviço dos restantes operadores concorrentes, nos principais resultados da pesquisa.

Presidente do Conselho de administração da Autoridade da Concorrência, Margarida Matos Rosa

As empresas de telecomunicações NOS, Meo, Nowo e Vodafone foram acusadas de terem atuado em cartel para limitar a concorrência em publicidade no motor de busca Google pela Autoridade da Concorrência (AdC), de acordo com um comunicado do regulador, enviado à redação este sábado, 18 de julho.

“A AdC acusou os operadores de telecomunicações MEO – Serviços de Comunicações e Multimédia [detida pela Altice Portugal], NOS Comunicações, S.A., Nowo – Communications, S.A. e Vodafone Portugal – Comunicações Pessoais, S.A. de terem celebrado um cartel para limitar a concorrência em publicidade no motor de busca Google, em prejuízo dos consumidores”, lê-se.

De acordo com o organismo liderado por Margarida Matos Rosa, os utilizadores, sem saberem, quando realizam pesquisas através do motor de busca Google sobre serviços de telecomunicações, colocando como palavra-chave o nome de uma das operadoras mencionadas, não encontram as propostas para o mesmo serviço dos restantes operadores concorrentes, nos principais resultados da pesquisa. Para a AdC, isso dificulta a comparação das ofertas, saindo o consumidor prejudicado.

“Num mercado onde essa comparação já é complexa para qualquer consumidor, dadas as especificidades envolvidas nos pacotes de telecomunicações (número de canais, tráfego de internet, telecomunicações fixas, entre outros), o cartel firmado entre os operadores Meo, NOS, Nowo e Vodafone torna ainda mais difícil a pesquisa e consequente mobilidade dos consumidores”, salienta a AdC.

O regulador acrescenta, ainda, que o cartel identificado “é passível de reduzir o incentivo e a capacidade de concorrer pela apresentação de propostas com os melhores preços e condições, limitando, assim, a concorrência e prejudicando os consumidores”.

A investigação da AdC revelou que o cartel identificado teve início em 2010 e que até à data não há “prova de que tenha cessado”. O processo a este cartel foir aberto pela equipa de Margarida Matos Rosa em janeiro de 2019, após uma denúncia no âmbito do Programa de Clemência.

Este é o segundo processo aberto por cartel no setor das telecomunicações. Tal como referiu no dia 14 de julho, numa comissão parlamentar, na Assembleia da República, a AdC entende que o mercado das telecomunicações está numa “situação de pouca dinâmica concorrencial há vários anos”.

Também nessa comissão, Margarida Matos Rosa revelou, embora sem especificar, que no âmbito de fiscalização ao mercado, a AdC tinha “dois casos abertos por cartelização”. “Um deles já viu a fase de acusação ser feita e está neste momento a ser terminado”.

A acusação, divulgada este sábado, coloca fim à fase de inquérito. Agora, inicia-se a fase de instrução do processo, para que as empresas referidas exerçam o seu direito de audição e defesa em relação ao ilícito que lhes é imputado e à sanção ou sanções em que poderão incorrer. Contudo, a AdC alerta que a investigação não terminou com a a formulação da acusação.

Em dezembro de 2019, a AdC já tinha acusado a Meo e a Nowo de terem constituído um cartel de repartição de mercado e fixação dos preços dos serviços de comunicações móveis, vendidos isoladamente ou em conjunto com serviços de comunicações fixas.

Ler mais
Relacionadas

Vodafone está a analisar acusação da Concorrência, mas garante que não “incumpriu qualquer regra”

A Vodafone, bem como a NOS, Meo e Nowo, foram acusadas pela Autoridade da Concorrência de terem atuado em cartel para limitar a concorrência em publicidade no motor de busca Google.

Meo refuta “todas as acusações” da Concorrência e repudia a forma como processos vêm a público

A Meo, bem como a NOS, Vodafone e Nowo, foram acusadas pela Autoridade da Concorrência de terem atuado em cartel para limitar a concorrência em publicidade no motor de busca Google.
Recomendadas

Alphabet com lucros de 11,25 mil milhões de dólares num terceiro trimestre em que receitas voltaram a crescer

Vindos do primeiro trimestre com uma diminuição de receitas na história da companhia, a empresa-mãe da Google volta agora em força, em parte empurrada pelas verbas associadas à publicidade.

Facebook aumenta lucro no terceiro trimestre impulsionado pela publicidade

A rede social também revela que conseguiu diminuir para metade as despesas relacionadas com “geral e administração”, em grande parte devido ao encerramento de escritórios um pouco por todo o mundo, acompanhando a tendência do teletrabalho.

Amazon com lucros 6,3 mil milhões de dólares, acima das previsões dos analistas

A empresa do homem mais rico do mundo conseguiu lucros e receitas acima das projeções dos analistas, sendo que, para o último trimestre do ano, a empresa antecipa resultados ainda mais fortes, naquela que é uma das maiores ganhadoras na pandemia.
Comentários