Confagri receia criação de um superministério da Economia e o fim do Ministério da Agricultura

Secretário-geral Francisco Silva relembra que já em anos anteriores a Confederação se teve de bater pelo fim do Ministério da Agricultura e da Comissão Parlamentar de Agricultura.

A Confagri — Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas receia que o próximo Governo crie um superministério da Economia e acabe com o Ministério da Agricultura, das Florestas e do Desenvolvimento Rural, bem como da Comissão da Agricultura na Assembleia da República.

“Já no passado existiu essa ideia durante a fase de constituição do Executivo de passar a pasta da Agricultura para uma Secretaria de Estado e de acabar a Comissão Parlamentar da Agricultura na Assembleia da República e substituí-la por uma subcomissão. A Confagri não concorda com esta ideia”, disse o secretário-geral da Confagri, Franscisco Silva, ao Jornal Económico.

E explica que se opõe ao fim do Ministério da Agricultura e da Comissão dada a “importância que a agricultura adequiriu nos últimos anos, pelas negociações que estão em curso em Bruxelas sobre a Política Agrícola Comum (PAC) pós 2020 e pelas alterações climáticas que é um assunto que tem de ser sempre acompanhado pelo sector agrícola”.

Por outro lado, Francisco Silva relembra que “já no passado nos tivemos de bater para que a Comissão de Agricultura não acabasse. Criar um superministério da Economia, completamente desfasado das questões agrícolas, seria uma situação prejudicial para a agricultura. Não acreditamos que isso possa vir a acontecer mas decidimos tomar uma posição política”.

Recorde-se que a Confagri emitiu esta semana um comunicado em que considera que o debate sobre a agricultura portuguesa, a floresta e o desenvolvimento sócio-económico das áreas rurais deverá “assumir grande relevo na próxima legislatura”.

Alterações climáticas

Para a Confederação, a mitigação dos efeitos das alterações climáticas, o futuro da nossa alimentação, a soberania alimentar, o ordenamento dos espaços florestais, e a distribuição dos incentivos à atividade agroalimentar pós-2020 são, entre outras, questões que “conduzirão a acesos debates na sociedade portuguesa, que exigem opções escrutinadas, ponderadas e responsáveis.

A Confagri, enquanto confederação nacional representativa dos agricultores portugueses organizados de forma cooperativa, “manifesta a sua total disponibilidade para dialogar com o futuro Governo, bem como com as forças partidárias que integram o novo Parlamento, na procura das soluções que garantam uma actividade agrícola e agroalimentar sustentável no nosso país”.

Quanto ao próximo Orçamento do Estado para 2020, Francisco Silva considera como “principal medida a contratação das disponibilidades financeiras para as políticas comunitárias”.

Ler mais
Recomendadas

PremiumComo vamos alimentar 10 mil milhões em 2050?

O JE promoveu no passado dia 16, a conferência “Alimentar o Futuro”, marcando o arranque da 10.ª edição dos ‘Food & Nutrition Awards’. O evento contou ainda com a Sustainable Society Iniciative e o apoio da Vieira de Almeida & Associados (VdA).

Governo assegura que houve menos 70% de área ardida

Comparando os valores do ano de 2019 com o histórico dos 10 anos anteriores, assinala-se que se registaram menos 46% de incêndios rurais e menos 70% de área ardida, relativamente à média anual do período.

“A legislação está muito atrás” em relação à cadeia alimentar

O Jornal Económico assinala o Dia Mundial da Alimentação com a conferência “Alimentar o Futuro”. O evento conta com o apoio da Vieira de Almeida & Associados (VdA).
Comentários