Conferência JE/BEL traz Nobel da Paz a Lisboa

O Jornal Económico, Grupo Bel e a Planetiers promovem no próximo dia 18 de março o primeiro de um ciclo de encontros sobre grandes temas da atualidade. O orador será Mohan Munasinghe, prémio Nobel da Paz de 2007.

É já na próxima segunda-feira dia 18 de março que o Jornal Económico e o Grupo Bel (acionista de referência da Megafin SA, empresa proprietária do nosso jornal) organiza o Ciclo de Encontros que trará a Portugal como orador convidado o académico Mohan Munasinghe, que em 2008 recebeu o Prémio Nobel da Paz enquanto vice-presidente do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), da Organização das Nações Unidas. Esta sessão terá ainda o apoio e a co-organização da Planetiers.

O evento terá a forma de um pequeno-almoço na Sala Belém do Hotel Pestana Palace, em Lisboa, com início previsto para as 8h30 com as boas vindas a estarem a cargo de Filipe Alves, diretor do Jornal Económico, Marco Galinha, CEO e Founder do Grupo Bel e Sérgio Ribeiro, CEO e Co Founder da Planetiers.

A sessão que terá um espaço dedicado a perguntas e respostas a Mohan Munasinghe estará concluída pelas 10h30.

O professor Munasinghe é um dos principais especialistas mundiais sobre sustentabilidade e alterações climáticas, temáticas que se afiguram decisivas para o futuro da Humanidade. Na sua intervenção, na qual contará com a presença do diretor do Jornal Económico, Filipe Alves, abordará os grandes desafios que as mudanças climáticas acarretam para as sociedades e economias mundiais.

Recomendadas

“Regulação dos robôs vai exigir quebra de paradigma ontológico e epistemológico”

Eduardo Magrani defende que, antes de se pensar nas questões éticas em torno dos robôs há que compreender filosoficamente a ética dos animais, “que está atrasada”.

Fiscalista da EY alerta: IVAucher “aparece envolto em dificuldades técnicas de implementação”

Nas alterações de impostos indiretos no OE2021, Amílcar Nunes, Associate Partner da EY destaca “a figura mediática” do IVAucher, a pretexto da recuperação de alguns dos sectores mais afetados pela pandemia – a restauração, o alojamento e a cultura. Fiscalista deixa, porém, o aviso: “desde logo este mecanismo aparece envolto em dificuldades técnicas de implementação.

Proposta do OE2021 prevê “poucas alterações” em matéria de IRC

“Esta proposta de OE prevê poucas alterações em matéria de IRC e de impostos sobre o património. Numa primeira análise, mais simplista, até podemos dizer que é um fator positivo na medida em que promove a estabilidade e a segurança do sistema fiscal português”, afirma Pedro Fugas, partner da EY.
Comentários