Confinamento. Altice vai reforçar redes de comunicações para “minimizar” efeitos do expectável aumento de tráfego

Altice garante que vai “canalizar todos os esforços para garantir o funcionamento pleno e sem falhas das suas redes de comunicações, acompanhando a evolução da situação de forma contínua, em estreita cooperação com as autoridades, e trabalhando na otimização, robustez e melhoria da rede sempre que necessário”.

A Altice Portugal vai reforçar e ampliar a capacidade da sua rede em todo o território nacional, devido ao “expectável progressivo aumento de tráfego na rede fixa, dada a nova situação de confinamento e de teletrabalho imposta aos portugueses”, anunciou a empresa esta sexta-feira.

A empresa de telecomunicações garante que vai “canalizar todos os esforços para garantir o funcionamento pleno e sem falhas das suas redes de comunicações, acompanhando a evolução da situação de forma contínua, em estreita cooperação com as autoridades, e trabalhando na otimização, robustez e melhoria da rede sempre que necessário”.

A dona da Meo entende que o sector das telecomunicações assume novamente um papel “crítico” para a “continuidade do país”, uma vez que as comunicações têm “uma importância estratégica para os setores público e privado”.

A empresa liderada por Alexandre Fonseca quer garantir que a resiliência da sua rede não será colocada em causa, durante o novo confinamento geral. Daí o reforço da rede para “a manutenção plena das melhores condições para o teletrabalho e continuidade da vida laboral”.

Este será um trabalho similar ao que a Altice Portugal fez no primeiro confinamento, quando “acomodou todas as
novas necessidades decorrentes do uso massivo das redes de comunicações, mesmo em períodos de pico, graças à redundância e resiliência das suas redes e aos investimentos realizados na sua expansão, de forma a garantir o aumento de capacidade
necessário”, lê-se no comunicado.

A dona da Meo acionou também o seu gabinete de crise e atualizou o seu plano de contingência.

Portugal está desde as 00h00 desta sexta-feira num novo estado de emergência, que contempla mediadas mais restritivas e um confinamento generalizado da população, para combater a pandemia da Covid-19.

Tendo em conta o confinamento total da população, o decreto do estado de emergência prevê que os operadores possam vir a ter de limitar ou bloquear o acesso a serviços de streaming na televisão, como a Netflix ou o Youtube, bem como funcionalidades de vídeo nas televisões e o acesso a videojogos na internet, caso o consumo excessivo da internet coloque em causa a integridade e segurança das redes e o funcionamento de serviços críticos do Estado.

Ora, tanto a Altice como a NOS asseguraram ao Jornal Económico estarem preparadas para o esperado aumento do consumo das comunicações, relembrando que o que está previsto no decreto do novo estado de emergência será apenas aplicado em situações extremas.

Ler mais
Relacionadas

Confinamento. Altice e NOS preparadas para novos aumentos no consumo das comunicações

Operadores garantem que esforços e a experiência adquirida durante o primeiro período de confinamento da população, entre março e abril de 2020, permitem olhar de outra forma para o novo confinamento. Operadores estão confiantes na resiliência das suas redes.

Confinamento. Operadores vão poder limitar ou bloquear serviços como Netflix ou Youtube na televisão

Decreto que prevê novo estado de emergência e, consequentemente um novo confinamento geral, prevê medidas que poderão obrigar Meo, NOS e Vodafone a “limitar ou inibir” o acesso a serviços de streaming ou a videojogos na internet para garantir a segurança e integridade das redes de comunicações.
Recomendadas

AdC alerta concessionárias de transportes rodoviários de passageiros para boas práticas

Entre outros pontos, a AdC aconselha as entidades de transportes a privilegiarem a adjudicação da exploração de serviço público através de concurso. A utilização do ajuste direto deve ter um caráter excecional.

Santander lucra 295,6 milhões de euros, menos 43,9% com 188 milhões de imparidades

A afetar os resultados está a imparidade líquida, que ascendeu a -187,6 milhões de euros, do contexto Covid-19. O custo do risco de crédito subiu bastante face a 2019, passou de -0,02% para 0,45%. O ponto positivo foi a melhoria do rácio de malparado, que caiu de 3,2% para 2,6%.

AIP quer que associações empresariais integrem comissão de acompanhamento do Plano de Recuperação

A entidade liderada por José Eduardo Carvalho concorda com o modelo de gestão centralizada e de descentralização na execução, mas defende que a participação das associações empresarias pode contribuir para a “dinamização” do Plano de Recuperação e Resiliência.
Comentários