Consórcio chinês vai construir e operar segunda maior ponte do Brasil

O projeto prevê a construção de uma ponte sobre a Baía de Todos os Santos, ligando Salvador, capital do estado da Bahia, à Ilha de Itaparica, numa extensão de 12,4 quilómetros.

Um consórcio formado por empresas estatais chinesas venceu um leilão para a construção e operação daquela que será a segunda maior ponte do Brasil, no estado da Bahia, no nordeste do país.

De acordo com a agência de notícias Xinhua, o projeto prevê a construção de uma ponte sobre a Baía de Todos os Santos, ligando Salvador, capital do estado da Bahia, à Ilha de Itaparica, numa extensão de 12,4 quilómetros.

O consórcio chinês, formado pela China Railway 20 Bureau Group Corporation (CR20) e pela China Communications Construction Company Ltd (CCCC) venceu, sem concorrência, o leilão realizado em São Paulo na última sexta-feira.

O governador do estado da Bahia, Rui Costa, já saudou o resultado: “a obra vai mudar o patamar de desenvolvimento do estado, elevando o índice de renda e de empregabilidade da população”, disse, citado pela imprensa brasileira.

As empresas chinesas terão um ano para elaborar o projeto e outros quatro para construir a infraestrutura.

A ponte, com um investimento de 2,2 mil milhões de dólares norte-americanos (quase dois mil milhões de euros) e uma concessão de 35 anos, vai reduzir a distância entre Salvador e a Ilha de Itaparica de 452 para 309 quilómetros.

Quando concluída, a ponte, com uma extensão de 12,4 quilómetros, 400 metros de largura e uma elevação central de 85 metros para permitir a travessia de navios será a segunda mais longa do Brasil, depois da ponte Rio-Niterói.

Ler mais
Recomendadas

Crédito para habitação cresceu 6,4% em Portugal de janeiro a julho deste ano

Ao nível da avaliação imobiliária na habitação efetuada para efeitos de crédito hipotecário apurou-se, em julho, um aumento de 8,0%, em termos homólogos, para 1.127 euros por metros quadrados, valor que corresponde a um novo máximo histórico, destaca a análise da AICCOPN.

Premium“Construtoras nacionais apenas ficam com 20% das obras públicas”, diz bastonário da Ordem dos Engenheiros

O desinvestimento em pessoas e equipamentos ao longo dos últimos anos foi tão grande que apenas 20% das obras públicas lançadas ficam em empresas portuguesas, afirma Carlos Mineiro Aires.

Concursos de obras públicas promovidos em Portugal subiram 20% até final de agosto

A última edição do barómetro do setor elaborado pela AICCOPN revela que os concursos de obras públicas promovidos em Portugal nos primeiros oito meses deste ano atingiram os 3.422 milhões de euros.
Comentários