Consultas médicas por videochamada chegam ainda este ano a Portugal

Mais de 300 pessoas têm a aplicação “My SNS Carteira”, que em breve terá esta nova funcionalidade.

Os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) estão a desenvolver uma nova funcionalidade tecnológica que permite que os utentes em Portugal possam ter consultas médicas à distância, através de videochamada.

O projeto-piloto deverá estar operacional na região de Lisboa ou do Porto até ao final do primeiro semestre deste ano e ser, depois, expandido a todo o país, de acordo com a notícia avançada pelo presidente do conselho de administração dos SPMS ao “Jornal de Notícias” (JN) e à TSF.

Segundo estes meios de comunicação social, 330 pessoas têm a aplicação “My SNS Carteira”, onde estará em breve esta nova opção. Henrique Martins referiu ao JN que se trata de uma solução de telemedicina que dá a hipótese de “ligar a app do cidadão à app do médico”. “Estando um na China e outro no Japão podem fazer a sessão”, exemplificou.

“Claro que não se pode resolver tudo, pois há muita coisa que não deve ser tratada por telesaúde, mas muitas dúvidas podem ser resolvidas por videochamada, com uma interação em que vejo o rosto do doente, uma mancha na pele, uma úlcera, um olho vermelho…”, explicou também à rádio.

Recomendadas

Saiba que cuidados deve ter ao organizar as suas férias (parte 3)

Verifique se o contrato inclui as informações referidas no programa de viagens e ainda os serviços pagos pelo cliente, de forma facultativa, bem como todas as exigências específicas acordadas entre cliente e agência.

Portugueses estão a pedir mais empréstimos para pagar contas. Pedem em média 2.239 euros

Para pagar as suas contas, os portugueses estão a aumentar os empréstimos. Nos últimos seis meses pediram 2.239 euros, mais 400 euros face ao período homólogo. Estudo da Intrum conclui, tal como o Banco de Portugal, que o aumento foi suportado pelo crescimento dos créditos pessoais sem fins específicos.

Bankinter lança Crédito Multilinha para Empresas

O banco quer dar às empresas maior flexibilidade e rapidez, e permitir aceder de forma simplificada ao crédito, “de forma a responder às suas necessidades correntes de tesouraria e de financiamento futuro”.
Comentários