Consultora imobiliária diz que Vistos Gold prejudicam fluidez do mercado em Portugal

A Imovendo congratula-se com a medida anunciada pelo Parlamento Europeu de querer que os Vistos Gold terminem de imediato nos países da União Europeia.

A consultora imobiliária Imovendo “aplaude” a medida anunciada pelo Parlamento Europeu esta segunda-feira, 26 de outubro, na qual pretende que os Vistos Gold terminem de forma imediata nos países da União Europeia (UE), por considerar que a cidadania da UE “não pode ser comercializada como uma mercadoria”.

Em comunicado, a consultora explica que “este tipo de investimento não é produtivo, não garantindo, na maior parte das vezes, qualquer tipo de externalidade positiva, nem para a área geográfica em que o imóvel se encontra, nem para o mercado imobiliário, uma vez que não se assume como força motriz do mercado enquanto um todo”.

A Imovendo explica que o investimento dos Vistos Gold representam de forma estrutural menos de 3% do volume de negócios imobiliários em Portugal (2,8% do volume de transações ao longo dos últimos quatro trimestres), sendo que o seu impacto em termos de efeito especulativo é muito superior, “prejudicando a capacidade de absorção do produto imobiliário por potenciais compradores nacionais, com menor poder de compra”.

Além disso, e num contexto generalizado de combate à corrupção, ao branqueamento de capitais e à fraude e evasão fiscais, a consultora salienta que “os Vistos Gold são um veículo promotor deste tipo de comportamentos”, dado que as entidades que seriam responsáveis pela denúncia de casos suspeitos “dificilmente reportam qualquer tipo de suspeita, uma vez que caso o fizessem deixariam de actuar neste nicho de mercado”.

A Imovendo entende que o fim dos Vistos Gold em Portugal vai permitir um ajustamento dos preços em determinadas zonas do país, para valores “mais alinhados com a realidade e o poder de compra nacional”, bem como possibilitar que as dinâmicas de absorção possam ser asseguradas com mais facilidade, tanto por compradores nacionais, como por investidores internacionais não-Vistos Gold.

De recordar que em Portugal, o regime dos vistos gold se encontra vigor desde 2012, mas deverá acabar em Lisboa e no Porto brevemente. A decisão do Governo em alterar as regras deste programa foi adiada por causa da pandemia do coronavírus, mas o Executivo terá o diploma pronto até ao fim de 2020.

Com esta decisão, os estrangeiros que queiram adquirir uma autorização para viverem em Portugal através de um investimento em imobiliário vão ter de o fazer fora dos grandes centros urbanos, uma vez que os Vistos Gold só vão ser dados a quem decidir apostar nas regiões do interior.

Ler mais
Recomendadas

Avaliação bancária às casas fixou-se nos 1.131 euros por metro quadrado em outubro

O valor mediano do metro quadrado cresceu três euros de setembro para outubro, segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística divulgados esta sexta-feira. Madeira verificou o maior aumento dos valores atribuídos pela banca aos imóveis.

Alojamento local com quebras de faturação superiores a 75% no segundo trimestre

Esta é uma das conclusões do inquérito realizado a 868 titulares e gestores de AL do país, promovido pelo DINÂMIA’CET – Centro de Estudos sobre a Mudança Socioeconómica e o Território, do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Estrangeiros responsáveis por 80% da procura por casas na Comporta

Investidores internacionais impulsionam imobiliário de luxo na Comporta. Procura deverá aumentar no próximo ano com a retoma do turismo a partir do segundo trimestre de 2021, estima a Engel & Völkers.
Comentários