Conta da luz pode subir 25 euros com a quarentena, alerta Deco

Associação Portuguesa de Defesa do Consumidor calcula que quem tem tarifa bi-horária de eletricidade verá a fatura subir 25 euros mensais.

A Associação Portuguesa de Defesa do Consumidor (Deco Proteste) fez as contas ao valor que a fatura da eletricidade dos portugueses poderá subir com o facto de estarem em regime de teletrabalho ou a darem assistência aos filhos em casa.

Os agregados familiares que têm tarifa bi-horária de eletricidade poderão ver a fatura subir entre 10 e 25 euros mensais, segundo os especialistas da associação. Os cálculos foram realizados para uma casa onde reside um casal e duas crianças, com uma potência contratada de 6,9 kVA (quilovoltampere) e que tinham o cuidado de ter 40% dos consumos nas horas de vazio.

“Não só deixa de ser possível manter 40% do consumo nas horas de vazio, como a família irá gastar mais eletricidade diariamente (cerca de 20% mais)”, explica a Deco, em comunicado divulgado esta sexta-feira.

Mesmo as famílias com tarifa simples poderão pagar mais seis euros por mês – no caso de terem uma potência contratada de 3,45 kVA e um consumo anual de 1900 kWh.  “Para não penalizar quase um milhão de famílias que aderiram à tarifa bi-horária, propomos que, durante este período de crise, se estabeleça a possibilidade de estes consumidores pagarem como se tivessem a tarifa simples”, diz a mesma entidade.

Em relação ao gás natural, poderá aumentar entre dois a quatro euros.

A Deco faz referência à importância de a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) ter estabelecido medidas excecionais para evitar cortes no abastecimento dos serviços públicos essenciais de eletricidade, gás natural e gases de petróleo liquefeito (GPL) canalizado, mas considera que as decisões “não suficientes”, porque no final do mês os portugueses irão gastar mais na mesma.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento aprova a suspensão das rendas e da caducidade dos contratos de arrendamento

As alterações na legislação sobre habitação autorizam que as famílias podem suspender o pagamento da renda durante o Estado de Emergência se registarem uma quebra superior a 20% dos rendimentos do agregado familiar, face aos rendimentos do mês anterior ou do período homólogo do ano anterior.

Utiliza a aplicação Houseparty? Deco desaconselha

Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor apercebeu-se de que a “partilha de dados pessoais e a segurança pode ser melhorada”. A ‘app’ nega críticas de falta de privacidade e está a oferecer cerca de 900 mil euros a quem souber como começou a “campanha difamatória”.

Desempregado ou em lay-off? Saiba como trabalhar em instituições sociais ou de saúde para ganhar um rendimento extra

Esta medida, voluntária, é uma forma dos desempregados ou dos trabalhadores em regime de lay-off poderem ganhar um rendimento extra reforçando hospitais ou lares. Desempregados com direito a uma bolsa mensal de 438,8 euros, com os trabalhadores em regime de lay-off a terem o direito a 658,2 euros mensais.
Comentários