Contrato e fatura passam a ser obrigatórios na venda de animais

Há novas regras para a compra e venda de animais. Veja aqui o que mudou.

O parlamento aprovou esta quarta-feira, com a abstenção do CDS-PP, o texto final do projeto de lei do PAN que regula a compra e venda de animais de companhia.

Entre as várias regras do novo documento legal, segundo a agência Lusa, encontram-se a apresentação de uma “declaração de cedência ou contrato de compra e venda do animal e respetiva fatura”, ou, se for o caso, um “documento comprovativo de doação”.

As regras serão aplicadas em casos de transações de animais de companhia e proibirá o anúncio online de compra e venda de animais selvagens.

O bem-estar do animal também deverá ser garantido e comprovado antes de ser efetuada a transação, através da emissão de um atestado, pelo médico-veterinário que comprove “que o animal se encontra de boa saúde e apto a ser vendido”.

O incumprimento destas leis pode implicar coimas entre os 200 e os 3.470 euros.

Ainda no domínio dos animais de companhia, o parlamento aprovou, com a abstenção do PSD, um projeto de resolução do PAN que recomenda ao Governo que “proceda à publicação do despacho a fixar a data da constituição da obrigação de identificação de gatos”, dando cumprimento ao disposto na lei.

Ler mais

Relacionadas

Animais deixam de ser “coisas”. Lei entra hoje em vigor

O partido de André Silva propõe também seis alterações ao Regime Jurídico da Caça.
Recomendadas

5G: Começou hoje a segunda fase da migração das frequências da TDT

A segunda fase da alteração da rede de emissores da televisão digital terrestre (TDT) arrancou esta segunda-feira, 24 de fevereiro, em Vila Nova de São Bento, no concelho de Serpa, um passo essencial para a implementação da quinta geração móvel (5G).

EUA: coronavírus não prejudica, por enquanto, a ‘phase 1’ do acordo comercial com a China

O secretário do tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, reconhece que o coronavírus pode atrasar o início das negociações sobre o aprofundamento do acordo comercial com Pequim, mas garantiu não estar preocupado com esse cenário.
catarina_martins_bloco_esquerda_legislativas_1

BE quer subsídio de alimentação da Função Pública como referência para o setor privado

A medida consta de um projeto de lei apresentado pelos bloquistas, que visa que o subsídio diário de alimentação dos trabalhadores do setor privado não seja inferior ao que definido para os trabalhadores da Administração Pública.
Comentários