Contratos precários aumentam 1,8 pontos percentuais entre 2008 e 2017

Portugal é depois da Croácia o país europeu onde o trabalho precário mais subiu neste período.

Apesar da recuperação do emprego que se verifica desde 2013, os contratos precários cresceram 1,8 pontos percentuais entre 2008 e 2017, de acordo com uma análise efetuada pelo Jornal de Notícias/Dinheiro Vivo com base em dados do Eurostat.

Segundos os últimos dados do departamento de estatísticas da União Europeia, Portugal está no segundo lugar da lista de países com mais contratos precários: 2,9% em 2017, mais do dobro do que se verificava em 2008.

A análise do JN/Dinheiro Vivo incide sobre os contratados não permanentes de duração igual ou inferior a três meses entre 2008 e 2017 e revela que no primeiro ano desse período, os contratados representavam 1,1% dos trabalhadores por conta de outrem. Em 2011, o pior ano neste tipo de vínculos, os contratados chegaram a representar 3,6% dos trabalhadores por conta de outrem. Em 2017, o peso dos contratados era de 2,9%.

Na União Europeia, somente a Croácia apresenta um valor superior ao Portugal, com um aumento de 3,6 pontos percentuais entre 2008 e 2017.

Recomendadas

CAP vê no ‘Green Deal’ um “documento de marketing da Comissão Europeia”

A última conferência do ciclo para a concretização de uma visão estratégica para o agroalimentar em Portugal realiza-se esta quarta-feira, com a participação de Luís Mira, secretário-geral da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Hector Lujan, presidente e CEO da Reiter Affiliated Companies e Ana Trigo Morais, CEO da Sociedade Ponto Verde, entre outros.

Covid-19: França regista 43.505 novos casos

O número de casos em França continua a subir, mas os números de hospitalizações estão a descer, assim como o número de pacientes em estado grave, anunciaram esta quarta-feira as autoridades francesas.

‘Green Deal’. CEO da Jerónimo Martins Agro-alimentar defende que produção animal exige “maior disciplina”

Na última conferência do ciclo para a concretização de uma visão estratégica para o agroalimentar em Portugal, promovida pela Lusomorango, à qual o Jornal Económico é media partner, António Serrano argumentou que, “à partida, a pressão vai estar na produção animal, em particular na produção de carne e de leite”. Isto por serem “áreas mais expostas”.
Comentários