Cook e Nadella: quanto ganham os líderes das tecnológicas mais valiosas de Wall Street

Cook e Nadella gerem as empresas mais valiosas de Wall Street e gerem operações multimilionárias. Apesar disso, não figuram entre as maiores fortunas dos EUA

A Apple e a Microsoft são as empresas mais valiosas de Wall Street. No entanto, os seus representantes não são os que mais ganham. No ano passado, Satya Nadella, diretor-executivo da Microsoft, arrecadou 26 milhões de dólares, o equivalente a pouco mais de 23 milhões de euros. No mesmo período, Tim Cook, CEO da Apple, recebeu 15 milhões de dólares, que na conversão resulta em mais de 13 milhões de euros.

Cook e Nadella gerem as empresas mais valiosas de Wall Street e gerem operações multimilionárias. Apesar disso, não figuram entre as maiores fortunas dos EUA nem mesmo entre os executivos com melhores ordenados. Ainda que os ordenados que recebem todos os meses sejam contenham verbas de respeito, diferenciam-se das empresas que estão no topo da Bolsa, porque não participaram na fundação das companhias que lideram e não são os principais accionistas das mesmas.

Em setembro de 2018, a Apple pagou 15,6 milhões de dólares, algo como 13,7 milhões de euros, ao presidente, o que significa um aumento de 22% em relação ao ano anterior e explica o bónus de 12 milhões de dólares (10.626 milhões de euros) relacionados com objetivos atingidos.

O “Expansión” calcula que nos sete anos em que Cook lidera a Apple, o património está calculado em mais de 700 milhões de euros (620 milhões de euros), sendo que em 2018 gerou 121 milhões de dólares, equivalente a 107 milhões de euros. A remuneração que Tim Cook recebeu em 2018 era perto de 283 vezes o ordenado médio da Apple, que é 55.426 dólares (49 mil euros). Comparativamente com outras empresas do ramo tecnológico, este valor é baixo, mas pode ser explicado pelo número de trabalhadores que a empresa contratou para as lojas e por as empresas cotadas nos Estados Unidos terem sido obrigadas a reduzir os salários dos executivos.

Estima-se que o salário do presidente da Apple não suba a curto prazo, uma vez que a marca da maçã enfrenta fracas vendas do iPhone, considerado o motor do negócio. A perda em Wall Street também é apontada para que o salário de Cook não aumente, sendo que a Microsoft está perto de alcançar a marca na Bolsa. O diretor-executivo da Microsoft faturou cerca de 26 milhões de dólares (23 milhões de euros) em 2018, aumentando as receitas em 14% e mostrando a capacidade da marca em reinventar-se. A compensação de Nadella foi receber perto de 16,8 milhões de dólares em ações, quando o salário médio da companhia se situa em 170 mil dólares (150 mil euros).

No último ano, a companhia lucrou 16.571 milhões de dólares (mais de 14 milhões de euros), o que representa menos 35% devido a provisões da reforma tributária. Ainda assim, o resultado operativo aumentou em 23% perfazendo 36.744 milhões de dólares (mais de 32 milhões de euros). Pela primeira vez, Nadella conseguiu elevar os rendimentos da empresa em 14%, fazendo mais de 100 biliões de dólares, que equivale a mais de 88 mil milhões de euros.

O “Expansión” afirma que os resultados da Microsoft podem ser explicados pela pontuação de Nadella (130 em 200) no mercado, pelo negócio da ‘nuvem’ e pela aquisição da plataforma digital LinkedIn, que foi arrecada em 2017 por mais de 26 milhões de dólares (23  milhões de euros).

Ler mais
Recomendadas

Luságua aposta na telegestão para aumentar eficiência

Com esta tecnologia de permanente monitorização que visa “a possibilidade de prever futuros problemas”, a Luságua assume um papel de salvaguarda das empresas que têm como objetivo “otimizar gastos de exploração”.

“Garra Vimaranense” guia estratégia de captação de turismo

A estratégia apresentada pela Câmara Municipal de Guimarães concretiza-se através de três programas principais, 12 projetos e 48 subprojetos que envolverão toda a população vimaranense.

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.
Comentários