Coreia do Norte elege formalmente deputados da Assembleia Popular Suprema

Presidida pelo veterano Kim Yong-nam, de 91 anos, a Assembleia tem 687 assentos. A votação de hoje é uma mera formalidade, dado que só há um único candidato por distrito.

KCNA/via Reuters

A Coreia do Norte realiza hoje eleições para eleger os novos deputados da Assembleia Popular Suprema, o principal órgão legislativo do país, poucas semanas depois do fracasso das negociações com os EUA na cimeira de Hanói.

A Assembleia Popular Suprema, presidida pelo veterano Kim Yong-nam, 91 anos e considerado o presidente cerimonial do país, tem 687 assentos, um para cada distrito eleitoral do país. Em cada distrito há um só candidato, pelo que a votação é uma mera formalidade. Os candidatos são assim eleitos por uma esmagadora maioria – as eleições legislativas anteriores de 2014 tiveram uma participação de 99,97%, tendo cada deputado sido eleito com 100% dos votos, de acordo com Pyongyang.

A grande maioria dos deputados pertence ao Partido dos Trabalhadores (607 dos 687), o restante é repartido por pequenos partidos que partilham a mesma ideologia do Partido dos Trabalhadores.

Alguns analistas acreditam que o regime pode usar estas eleições para enviar uma mensagem de coesão após o falhanço da cimeira entre o líder norte-coreano Kim Jong-un, e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, realizada no mês passado em Hanói.

No sábado, o principal jornal do regime, Rodong Sinmunm usou as eleições para “sublinhar a convicção inabalável das pessoas em relação à confiança e ao apoio que têm no líder supremo (Kim Jong-un)”

Na sexta feira, a Coreia do Norte admitiu pela primeira vez, através da agência noticiosa oficial, o fracasso da recente cimeira.“A opinião pública aqui e no estrangeiro (…) lamenta, acusando os Estados Unidos pela cimeira que foi concluída sem um acordo”, escreve em editorial a agência KCNA, que até ao momento não tinha mencionado o falhanço do encontro histórico entre os dois dirigentes de 28 fevereiro, em Hanói.

Donald Trump e Kim Jong-un despediram-se com sem conseguirem chegar a acordo, após uma cimeira consagrada ao complexo dossiê da desnuclearização da península norte-coreana.

Ler mais
Recomendadas

“As pessoas têm medo, até de um simples aperto de mão”. Portuguesa em Itália conta como se lida com o coronavírus

“Na zona de Milão, os supermercados estão completamente vazios e não se encontra máscaras de proteção facial em lado nenhum”, relata ao JE a portuguesa que reside na zona da Toscana, perto de Bolonha, região onde, para já, tudo está tranquilo no que diz respeito a casos de coronavírus.

Covid-19: Irão “nega categoricamente” notícias sobre 50 mortes

“Nego categoricamente essa informação” disse à imprensa o vice-ministro da Saúde, Iraj Harirtchi, sobre a informação avançada pelo deputado Ahmad Amirabadi Farahani, que acusou o governo de Teerão de “mentir ao povo”.

Trump vai vender 2,7 mil milhões de euros em helicópteros militares à Índia

A visita do líder norte-americano acontece depois de um ano de atritos comerciais entre os dois países, com a imposição de taxas mútuas e a decisão dos Estados Unidos de retirar a Índia, a partir de junho passado, do Sistema de Preferências Generalizadas, que proporciona reduções tarifárias em vários produtos.
Comentários