Coreia do Norte elege formalmente deputados da Assembleia Popular Suprema

Presidida pelo veterano Kim Yong-nam, de 91 anos, a Assembleia tem 687 assentos. A votação de hoje é uma mera formalidade, dado que só há um único candidato por distrito.

KCNA/via Reuters

A Coreia do Norte realiza hoje eleições para eleger os novos deputados da Assembleia Popular Suprema, o principal órgão legislativo do país, poucas semanas depois do fracasso das negociações com os EUA na cimeira de Hanói.

A Assembleia Popular Suprema, presidida pelo veterano Kim Yong-nam, 91 anos e considerado o presidente cerimonial do país, tem 687 assentos, um para cada distrito eleitoral do país. Em cada distrito há um só candidato, pelo que a votação é uma mera formalidade. Os candidatos são assim eleitos por uma esmagadora maioria – as eleições legislativas anteriores de 2014 tiveram uma participação de 99,97%, tendo cada deputado sido eleito com 100% dos votos, de acordo com Pyongyang.

A grande maioria dos deputados pertence ao Partido dos Trabalhadores (607 dos 687), o restante é repartido por pequenos partidos que partilham a mesma ideologia do Partido dos Trabalhadores.

Alguns analistas acreditam que o regime pode usar estas eleições para enviar uma mensagem de coesão após o falhanço da cimeira entre o líder norte-coreano Kim Jong-un, e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, realizada no mês passado em Hanói.

No sábado, o principal jornal do regime, Rodong Sinmunm usou as eleições para “sublinhar a convicção inabalável das pessoas em relação à confiança e ao apoio que têm no líder supremo (Kim Jong-un)”

Na sexta feira, a Coreia do Norte admitiu pela primeira vez, através da agência noticiosa oficial, o fracasso da recente cimeira.“A opinião pública aqui e no estrangeiro (…) lamenta, acusando os Estados Unidos pela cimeira que foi concluída sem um acordo”, escreve em editorial a agência KCNA, que até ao momento não tinha mencionado o falhanço do encontro histórico entre os dois dirigentes de 28 fevereiro, em Hanói.

Donald Trump e Kim Jong-un despediram-se com sem conseguirem chegar a acordo, após uma cimeira consagrada ao complexo dossiê da desnuclearização da península norte-coreana.

Ler mais
Recomendadas
trump e pence

Organização Trump tem extensa e prolongada conduta criminosa, concluem procuradores

Os advogados do Presidente norte-americano tinham considerado no mês passado que a intimação judicial para a entrega das declarações fiscais tinha sido feita com má-fé e era uma manifestação de assédio a Trump.

França suspende acordo de extradição com Hong Kong seguindo decisão de outros países

“À luz dos últimos desenvolvimentos, a França não procederá à ratificação do acordo de extradição assinado a 04 de maio de 2017 entre a França e a Região Administrativa Especial de Hong Kong”, declarou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês.

Rei emérito Juan Carlos I vai abandonar Espanha

O envolvimento do rei emérito em negócios pouco recomendáveis e a existência de duas fundações suspeitas impedem Juan Carlos de continuar em Espanha. O filho, Filipe VI, já se tinha distanciado de Juan Carlos, na tentativa de conter os estragos provocados à monarquia.
Comentários