Coronavírus ‘contagia’ Wall Street. Todos os índices em queda

A imprensa internacional dá conta de que o vírus chinês, que teve origem na cidade de Wuhan, já vitimou pelo menos 80 pessoas. A China, que já disse que os sintomas do vírus podem demorar até 14 dias para se manifestaram, cancelou diversos serviços de transportes públicos e celebraçoes da entrada no novo ano para conter a propagação do vírus. As chegadas de turistas a Macau, a capital do jogo, registaram uma queda de 80% face a igual período do ano passado, noticiou a “Bloomberg”.

Reuters

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque iniciaram a primeira sessão da semana em queda devido ao coronavírus, acompanhando as congéneres europeias. A sessão asiática também já tinha encerrado em baixa.

A imprensa internacional dá conta de que o vírus chinês, que teve origem na cidade de Wuhan, já vitimou pelo menos 80 pessoas. A China, que já disse que os sintomas do vírus podem demorar até 14 dias para se manifestarem, cancelou diversos serviços de transportes públicos e celebrações da entrada no novo ano para conter a propagação do vírus. As chegadas de turistas a Macau, a capital do jogo, registaram uma queda de 80% face a igual período do ano passado, noticiou a “Bloomberg”.

Esta segunda-feira, o S&P 500 perdia 1,59%, poucos momentos após o toque do sino de abertura, para os 3.243,10 pontos; o industrial Dow Jones cedia 1,65%, para 28.512,52 pontos; e o tecnológico Nasdaq desvalorizava 2,14%, para 9.115,32 pontos.

Para Philippe Waechter, diretor da Economic Research de Ostrum AM (Natixis IM), se o vírus se propagar “terá um forte impacto na economia chinesa” e “redundaria num crescimento mais fraco do PIB da China em 2020”.

A cidade de Wuhan, com cerca de onze milhões de pessoas, é a sede dos principais produtores chineses de automóveis e de aço. Além disso, mais de 300 das 500 principais empresas do mundo têm sede na cidade.

“No curto-prazo, a principal fonte de preocupação centra-se nas vendas a retalho”, disse Philippe Waechter, devido aos cancelamentos das celebrações do ano novo.

Nas empresas, destaque para a queda da Alibaba, que está a perder mais 3%. A Apple e a Microsoft também estão a perder cerca de 2%. A Disney, que encerrou um parque temático em Hong Kong, também está em terreno negativo.

O preço do petróleo também está a ser afetado pelo coronavírus, uma vez que a China reduziu a procura pela matéria-primas. Em Londres, o barril de Brent, referência mundial, perde 2,06%, para 59,44 dólares. Nos Estados Unidos, o West Texas Intermediate desvaloriza 2,03%, para 53,09 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Wall Street cai diante de preocupações com vírus da China

A China continua no epicentro das preocupações devido ao Coronavírus.

‘Lobo de Wall Street’. Ex-corretor processa produtores do filme em 272 milhões de euros

O livro ‘O Lobo de Wall Street’ escrito por Belfort foi publicado em 2007 após o ex-corretor servir uma pena de prisão de 22 meses por fraude de valores mobiliários relacionada com as atividades desenvolvidas em 1980 e 1990 com a empresa Stratton Oakmont.

Wall Street em alta e resiste ao coronavírus

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque iniciaram a sessão desta sexta-feira em alta. Depois de uma semana em que soaram os alarmes por causa do coronavírus na China, os investidores regressam agora menos receosos aos mercados depois da Organização Mundial da Saúde ter considerado ser cedo declarar o estado de emergência mundial.
Recomendadas

Grupo EDP impulsiona bolsa de Lisboa

Na bolsa portuguesa, dez empresas cotadas valorizam e oito empresas desvalorizam.

Dúvidas sobre Luís Filipe Vieira travam OPA do Benfica

CMVM tem dúvidas quanto ao preço e aos conflitos de interesses do presidente da SAD e de José António dos Santos, avança o “Jornal de Notícias”.

Goldman lança fundo de ações de impacto ambiental global

O portfólio concentrar-se-á nas empresas que a equipe da sociedade gestora de ativos acredita que podem apoiar uma maior sustentabilidade ambiental e estão bem posicionadas para beneficiar da procura a longo prazo. Isto inclui empresas alinhadas e que seguem cinco temas ambientais principais: Energia limpa; eficiência de recursos; consumo e produção sustentáveis; economia circular e sustentabilidade da água.
Comentários