Coronavírus: quando a comunicação faz parte da solução

Em cenários de incerteza como o atual, a comunicação assume um papel fundamental e deve focar-se num elemento em concreto: a antecipação.

Em Portugal, várias empresas ao longo dos últimos dias têm vindo a público anunciar as suas políticas de atuação face à emergência da epidemia do Covid-19. Num contexto como o atual, as empresas têm um papel na gestão deste acontecimento e necessitam comunicar de uma forma clara e transparente quando têm algo de relevante a dizer. O momento assim o exige.

Em cenários de incerteza como este, onde a informação se propaga de forma tão veloz – e às vezes também tão contraditória, a comunicação assume um papel fundamental. E a comunicação que se foca num elemento em concreto: a antecipação.

Antecipar ações, mensagens e cenários, é aquilo que as empresas devem procurar fazer para, de forma estratégica, protegerem a sua reputação e, até, fazerem uso deste momento para fortalecer a confiança junto dos seus stakeholders internos e externos.

Muitas empresas já estão a definir um protocolo de gestão face ao Covid-19. No entanto, importa considerar a comunicação como uma área essencial para o sucesso de qualquer plano de contingência. É, por isso, necessário definir padrões de atuação, conteúdos das mensagens, estudar possíveis cenários e analisar o impacto de cada um, ajustando sempre as soluções à realidade da empresa e ao desenrolar da crise.

Devemos ter claro que uma situação de crise se gere em três grandes tempos: o antes, o durante e o depois. E que só projetando os cenários nestes três momentos é que teremos um plano de comunicação eficaz, bem como ajustado as necessidades da empresa e das suas comunidades desde os colaboradores, fornecedores, clientes e acionistas, mas também autoridades, os próprios media e a opinião pública.

E nunca esquecer o papel que a liderança de uma organização tem na comunicação destas mensagens, já que transparência e responsabilidade são a base para uma imagem de confiança e segurança, tão necessária nos dias de hoje.

Recomendadas

Por um Portugal de luxo

Ao contrário do que temos feito no passado, apostando nos baixos custos de produção como factor de competitividade, devemos explorar o que temos de inimitável, cobrando preços de monopolista.

O ódio

Para muitos, a resposta racional, estruturada e responsável da direita do sistema não estava a ter ganhos concretos; havia que berrar muito e bem alto. Ventura apareceu disposto a tudo, em troca de apoio e fidelidade total.

Chamem o Professor Porter, já! E chamaram mesmo

Cinco meses depois da minha sugestão, o Conselho de Ministros decidiu atualizar o Relatório Porter nas Grandes Opções do Plano, documento aprovado na semana passada pelo Executivo.
Comentários