Corrida aos Centros de Arbitragem de Conflitos de Consumo

Urge dotar estes Centros de mais recursos técnicos e humanos, para dar cabal resposta às novas solicitações, sob pena da presente alteração corresponder, para o consumidor, a uma vitória de Pirro.

Foi no pretérito dia 16 de agosto de 2019 publicada em Diário da República a Lei n.º 63/2019.

Tal como resulta da Exposição de Motivos do Projeto de Lei n.º 428/XII/2ª que originou o presente Diploma, “ é consensual a ideia de que os consumidores se apresentam no mercado de forma isolada e não concertada, encontrando-se numa situação de efetiva fragilidade relativamente ao poder técnico-económico dos agentes económicos”, sendo sobejamente conhecido que a relação jurídica de consumo se traduz numa relação desnivelada.

Imagine-se que um consumidor adquiriu um bem que se avariou no prazo de garantia.

Até à presente data, a submissão desse conflito de consumo, fazia-se com recurso à arbitragem voluntária, a não ser que as empresas emitissem uma declaração através da qual aderissem plenamente aos Centros de Arbitragem de Conflitos de Consumo (Adesão Plena), o que amiúdas vezes não sucedia. Fora desses casos, o consumidor teria de recorrer aos Julgados de Paz ou aos Tribunais Judiciais.

Consciente desta problemática e verificando que o recurso aos meios alternativos de resolução de litígios importa menos custos para as partes, veio agora a sobredita Lei estatuir que “os conflitos de consumo de reduzido valor económico [até 5.000,00 euros] estão sujeitos a arbitragem necessária ou mediação quando, por opção expressa dos consumidores, sejam submetidos à apreciação de tribunal adstrito aos centros de arbitragem de conflitos de consumo legalmente autorizados”.

Isto dito, o consumidor poderá impor a qualquer empresa (respeitando o valor supra referido) a resolução do litígio num tribunal arbitral de um centro de arbitragem de consumo, tendo o conceito de adesão plena apenas relevância para litígios de valor superior àquele.

A nova redação da Lei prescreve também que o consumidor deve ser notificado no início do processo de que pode fazer representar-se por advogado ou solicitador, ou, quando não tenha meios económicos para tal, solicitar apoio judiciário nos termos da lei que regula o acesso ao direito e aos tribunais.

Quanto à taxa de justiça, o consumidor fica dispensado de realizar o seu pagamento previamente, sendo esta apurada apenas a final.

Para o consumidor, à primeira vista, esta solução será mais vantajosa, porquanto o recurso a um Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo será tendencialmente gratuito, próximo e célere. Todavia, pelo voo se conhece a ave.

Não obstante reconhecermos a bondade da alteração, veremos se a arbitragem necessária a todos os conflitos de consumo – tal como observou a Direção Geral do Consumidor – não irá estrangular a atividade dos Centros de Arbitragem que devem obedecer a requisitos de celeridade estabelecidos na Diretiva 2013/11/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 21 de maio de 2013, deixando se servir uma justiça pronta e acessível.

Perante o que antecede, reveste-se da maior importância revestir os Centros de Arbitragem de Conflitos de Consumo de mais recursos técnicos e humanos de forma a permitir dar cabal resposta às novas solicitações, sob pena da presente alteração corresponder, para o consumidor – que é parte mais leiga e profana –  a uma verdadeira vitória de Pirro.

Recomendadas

Uma proposta para a conexão de processos

A criação, através de instrumento legislativo, de um “Cartão do Beneficiário do Apoio Judiciário”, demonstrada a insuficiência económica perante os serviços do ISS, é uma solução que nos parece eficaz, realista e implementável.

PremiumCCA procura novo parceiro internacional

Carlos Barbosa da Cruz, sócio fundador do escritório, considera indispensável um alinhamento internacional, para acompanhar melhor os clientes. “A CCA começou como uma empresa familiar, mas não é uma empresa familiar”, afirma ao Jornal Económico.

IVA obriga empresas a financiar Angola durante seis meses, diz fiscalista

Para a advogada Lília Azevedo, da sociedade Miranda & Associados, é “uma situação inética”.
Comentários