Corteva apoia três mil agricultores portugueses por ano

A empresa agrícola que recentemente concluiu a sua separação da DowDuPont, reforçou a sua aposta prioritária no mercado nacional.

Em Portugal, a Corteva é uma das mais importantes empresas no desenvolvimento e comercialização de sementes para as grandes culturas anuais, com destaque para o milho, e também a empresa com maior capacidade de assessoria técnica ao agricultor com o recurso às mais recentes ferramentas digitais. Tem como principal objetivo assessorar os agricultores na sua atividade produtiva, garantir aos consumidores portugueses os melhores produtos e assegurar um futuro de qualidade às gerações vindouras através de uma agricultura sustentável. Em Portugal, a Corteva conta com 24 técnicos especializados que apoiam intervenções numa superfície agrícola superior a 800.000ha. São já mais de três mil agricultores portugueses apoiados pela assessoria técnica da Corteva por ano.
Igor Teslenko, Presidente da Corteva para a Europa, esteve presente este mês na Feira Nacional de Agricultura (FNA) para reforçar o compromisso com o mercado português e afirma que “este é um momento muito importante para a Corteva que acaba de se tornar a primeira empresa mundial 100% agrícola com o portefólio mais inovador da indústria. A FNA é um palco de excelência para a divulgação dos nossos produtos e capacidades, além da partilha de conhecimentos entre especialistas e profissionais do setor agrícola.”

Em Portugal, encontra-se na liderança no desenvolvimento e comercialização de sementes para as grandes culturas anuais, com destaque para o milho, e com a maior capacidade de assessoria técnica ao agricultor. O objetivo a curto prazo é prestar assessoria a mais agricultores na sua atividade produtiva, maximizando o seu rendimento e lucratividade. Em simultâneo, pretende garantir aos consumidores os melhores produtos, assegurando um futuro de qualidade às gerações vindouras através de uma agricultura sustentável com a preocupação de proteger o meio ambiente.

Com o foco no desenvolvimento de uma agricultura sustentável, a empresa está ainda a preparar uma equipa especializada na proteção das plantas, à semelhança da sua equipa técnica dedicada a sementes. Com o início de atividade da nova equipa para a proteção de plantas, a Corteva espera aumentar o número de agricultores com assessoria técnica para um valor a rondar os 5.200 nas diferentes áreas produtivas, com especial destaque para as culturas do milho, vinha e olival.

Recentemente, a Corteva Agriscience concluiu a sua separação da DowDuPont para formar uma sociedade puramente agrícola líder, independente e global. Presente em mais de 140 países, gerou 14 mil milhões de dólares em vendas líquidas em 2018, possui mais de 150 instalações de investigação e desenvolvimento e mais de 65 princípios ativos. “Enquanto nova sociedade agrícola independente, estamos totalmente concentrados num investimento na inovação, de modo a proporcionar um crescimento orgânico das receitas acima do mercado e a aumentar o rendimento do capital investido”, disse Greg Friedman, vice-presidente executivo e diretor financeiro da Corteva Agriscience. “Estamos dentro do prazo do nosso compromisso de obter 1,2 mil milhões de dólares em sinergias de custos até 2021, e temos confiança no nosso plano para ampliar as margens. Igualmente importante é o facto de estarmos comprometidos em devolver capital significativo aos acionistas através de uma combinação de recompras de ações e dividendos”, acrescenta.

Recomendadas

PremiumISQ vai investir mais de um milhão de euros no fabrico aditivo (3D)

Pedro Matias, presidente da empresa, anuncia que vai ser criado um Laboratório de Manufatura Aditiva, que será único em Portugal.

Salas de cinema registam quebras na ordem dos 96% em julho

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual, as salas de cinema nacionais receberam no último mês cerca de 78 mil espectadores, o que traduz uma quebra de 95,6% comparativamente à audiência em 2019,

PremiumRisco de continuidade do negócio é o mais relevante para as empresas

Um estudo da MDS revela que a possibilidade de recuperação em ‘V’ é, do lado das empresas, uma miragem: um a três anos é o tempo mínimo esperado de regresso à atividade pré-pandemia.
Comentários