Corum e Pingo Doce renovam contratos de arredamento de oito imóveis

Dois dos imóveis encontram-se na Área Metropolitana de Lisboa e são detidos pelo fundo Corum XL, os outros seis edifícios pertencem ao fundo Corum Origin e situam-se nas regiões norte e centro. A renovação é válida até 2031.

4 – Pingo Doce

A Corum e o Pingo Doce chegaram a um acordo para a renovação do contrato de arrendamento de oito imóveis detidos pela gestora de ativos francesa.

Dois dos imóveis encontram-se na Área Metropolitana de Lisboa e são detidos pelo fundo Corum XL, os outros seis edifícios pertencem ao fundo Corum Origin e situam-se nas regiões norte e centro. A renovação é válida até 2031.

A gestora francesa que em Portugal tem escritório em Lisboa, possui 12 imóveis através dos seus fundos Corum Origin e Corum XL, sendo que investem apenas em imóveis comerciais, sendo responsáveis pela sua gestão e arrendamento.

Os fundos da Corum já investiram em Portugal 70 milhões de euros, tendo adquirido no passado mês de setembro o centro logístico da empresa agroalimentar Nobre.

José Gavino, diretor da Corum em Portugal, explica que “esta renovação dos contratos de arrendamento é mais uma forma de prolongarmos a nossa presença em Portugal, mas também de confiança no país e nas empresas nacionais. O sector do retalho foi dos que conseguiu crescer durante este período de pandemia e a cadeia Pingo Doce enquadra-se no perfil de empresas que a Corum procura para os seus imóveis, empresas estáveis e com solidez financeira”.

Recomendadas

Greve nos CTT tem “motivação exclusivamente política”, diz CEO

Criada em 1988 por profissionais da rede de atendimento dos CTT, a ANCEC tem como associados 220 gestores de estações de correios, que diz coordenarem uma atividade que envolve mais de 600 pessoas a nível nacional (continente e ilhas).

Segundo maior acionista sai da Jerónimo Martins

Segundo maior acionista da dona do Pingo Doce vendeu a sua participação de 5%. A Jerónimo Martins reportou que recebeu da Goldman Sachs International o anúncio de lançamento de um ‘accelerated bookbuilt offering’, dirigido a investidores institucionais.

“Crise nas cadeias de logística tem tido particular impacto em alguns sectores estratégicos”

As vendas de bens e serviços ao exterior têm funcionado como um motor da economia portuguesa, num ciclo positivo que só foi interrompido pela pandemia. Ao Jornal Económico, o secretário de Estado Adjunto e da Economia, João Neves, diz que as empresas são resilientes e que as exportações já estão a recuperar, mesmo com o impacto da crise energética e com os constrangimentos nas cadeias de abastecimento, que afetam sectores estratégicos.
Comentários