Cosec prevê que economia portuguesa cresça acima da média da zona euro em 2022

Segundo um estudo da Euler Hermes, acionista da companhia de seguros de crédito, Cosec, o PIB português deverá crescer 5,4% em 2022, acima da média da Zona Euro, que, será de +4,2%. Para a economia portuguesa até ao final do ano a seguradora aponta para um crescimento de 4%, um desempenho em linha com o da média das economias europeias.

De acordo com o estudo “Grand reopening: new opportunities, old risks”, recentemente publicado pela Euler Hermes, acionista com 50% da Cosec – Companhia de Seguro de Créditos, o PIB português deverá crescer 5,4% em 2022, acima da média da Zona Euro, que, será de +4,2%.

Já no que se refere às projeções de evolução da economia portuguesa até ao final deste ano a seguradora aponta para um crescimento de 4%, um desempenho em linha com o da média das economias europeias.

Estas previsões de crescimento da economia nacional, explicam os economistas, “são influenciadas pelos fundos de 13,9 mil milhões de euros em subvenções a fundo perdido previstas no Plano de Recuperação e Resiliência de Portugal, no âmbito do ‘Next Generation EU’, o plano de recuperação da União Europeia, bem como pelos 2,7 mil milhões de euros em empréstimos para os próximos 5 anos”.

Na Zona Euro a Euler Hermes destaca o crescimento do PIB será o espanhol que evoluirá +5,3% em 2022 e o italiano que crescerá +4,6%. Com previsões menos favoráveis, surge o crescimento das economias francesa e alemã não deverá ultrapassar os +3,8%.

Ainda de acordo com o estudo “Grand reopening: new opportunities, old risks”, o PIB global deverá crescer 5,5% já este ano e 4,1% em 2022.

Os Estados Unidos, que têm projeções de crescimento de 6,3% para 2021 e de 4,0% em 2022  e a China, para a qual a Euler Hermes faz uma previsão de crescimento de +8,2% para este ano e de 5,4% para próximo ano, são os principais impulsionadores desta tendência de recuperação da economia global.

Já a África do Sul – com um crescimento de apenas 2,2% do PIB em 2021 e de 1,9% em 2022 – e o Japão – com 2,5% este ano e 1,9% no próximo ano – são as regiões com cenários de recuperação mais lenta, segundo os economistas da seguradora.

De acordo com as estimativas da Euler Hermes, líder mundial em seguro de crédito, ainda este ano, o comércio global deverá crescer 7,7% em volume, depois de uma diminuição de 8% em 2020, impulsionado pelas expectativas positivas no que diz respeito às exportações robustas da zona Ásia-Pacifico e das fortes importações dos Estados Unidos, Europa e China.

O estudo destaca ainda a importância de uma transição efetiva para uma economia mais sustentável e o seu impacto na recuperação económica.

A adoção de um modelo de crescimento mais sustentável exigirá a redefinição das políticas industriais existentes, para garantir novos recursos fiscais, subsídios de transição, proteção dos produtores nacionais e investimento em infraestruturas. De acordo com os economistas, até 2050, o investimento anual do e no setor energético terá de aumentar para cerca de 1% do PIB global.

A Cosec é detida em partes iguais pela Euler Hermes e pelo BPI.

Recomendadas

Wall Street fecha com ganhos assinaláveis depois das quedas da semana anterior

O impacto inicial da Omicron parece ter sido corrigido, com os principais índices norte-americanos a subirem na sessão de hoje. Destaque para o sector tecnológico, cujos ganhos impulsionaram o Nasdaq a subir mais de 360 pontos.

Portugal é o 13º país da UE que maior percentagem de gastos públicos dedica a I&D

A investigação e desenvolvimento sofreu no último ano, com o valor total investido pelos governos europeus a cair em relação a 2019, apesar do peso no PIB da UE até ter crescido, dada a queda deste indicador.

Hélder Rosalino destaca projeto do Eurosistema para a emissão da moeda digital do banco central como desafio para novo mandato

O administrador do Banco de Portugal diz que “para ter capacidade de influenciar o desenho do chamado Euro digital e capacidade de apoiar o sistema financeiro nacional caso o projeto avance, o banco terá de participar ativamente na fase de investigação, que decorrerá até 2023, e na fase da implementação, operacionalizando a infraestrutura que vier a ser disponibilizada”.
Comentários