Costa diz que episódio do Novo Banco minou credibilidade do PSD

O primeiro-ministro criticou também o BE, por ter chumbado o Orçamento do Estado, referindo que esse chumbo foi oportunístico e diz que os bloquistas desertaram.

O primeiro-ministro, António Costa, considerou, durante uma entrevista ao Observador, que a posição do PSD, que ajudou a viabilizar a proposta do BE, que impede a transferência de mais capital para o Novo Banco, mina a credibilidade dos sociais democratas, e será uma bravata política que não terá consequências em termos jurídicos e politicamente.

O governante abordou ainda na entrevista ao Observador a posição do BE de chumbo do Orçamento do Estado. Costa diz que este chumbo foi oportunístico e acusou o BE de desertarem.

Costa disse também que o BE vai perceber a gravidade deste erro político. O primeiro-ministro diz que “vai seguir em frente” reforçando que espera que os bloquistas aprendam com o erro que cometeram.

Recomendadas
Marta Temido em entrevista à RTP

Fecho imediato de todas as escolas vai ser discutido em Conselho de Ministros nesta quinta-feira

Ministra da Saúde admite que é possível chegar a 20 mil mortes causadas pela pandemia até março. Variante britânica do coronavírus SARS-CoV-2 representa 20% dos casos de infeção e poderá chegar aos 60%.

“Ingerência” ou “acusações falsas”? Caso do procurador europeu divide Parlamento Europeu

Apenas o grupo político europeu que integra o PS aceitou sem reservas as explicações do Governo português. O grupo político do PSD e CDS-PP diz que “disparates destes são próprios de outras latitudes” e que é preciso investigar o caso. Já o GUE/NGL, onde está o BE e o PCP, não se opõe à nomeação, mas lamenta “trapalhada grave” que ameaça manchar a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

PS pede a PSD que evite “aproveitamento partidário” da pandemia

“Temos de evitar que haja tentativas de aproveitamento partidário numa circunstância especialmente difícil, dramática, da nossa vida coletiva”, disse à agência Lusa o dirigente socialista, respondendo, assim, a Rui Rio, que pediu hoje ao primeiro-ministro, António Costa, para encerrar as escolas a partir de quinta-feira, de modo a conter a propagação do SARS-CoV-2.
Comentários