Costa presta “grande tributo” aos professores pelo trabalho desenvolvido durante o ano letivo

“Quem melhor ensina as crianças é também quem melhor sabe definir o que as crianças precisam e como podem aprender. São os professores e as professoras. A todos e a todas, no final deste ano letivo, muitos parabéns pelo que fizeram, bom trabalho para o futuro”, disse o primeiro-ministro.

O primeiro-ministro, António Costa, prestou hoje um “grande tributo” ao trabalho que os professores “têm desenvolvido e que, mais uma vez, este ano desenvolveram”.

“Uma escola são aqueles que estão na escola, que vivem, trabalham e estudam na escola. No início de final do ano letivo presto grande tributo pelo trabalho que têm desenvolvido e que, mais uma vez, este ano desenvolveram”, referiu.

O chefe do executivo, que discursava na cerimónia de inauguração das obras de remodelação da Escola Básica 2,3/S de Arcos de Valdevez, com cerca de 30 anos e 1.200 alunos, disse também que “uma escola é muito mais do que um edifício”.

“Quem melhor ensina as crianças é também quem melhor sabe definir o que as crianças precisam e como podem aprender. São os professores e as professoras. A todos e a todas, no final deste ano letivo, muitos parabéns pelo que fizeram, bom trabalho para o futuro”, disse.

António Costa destacou as três reformas “centrais” para o futuro da escola, introduzidas nos últimos três anos e meio, como a descentralização da educação para os municípios, a autonomia das escolas e a flexibilização curricular.

“São a chave, assentam e dependem da confiança total que temos de ter na comunidade educativa para ser capaz, porque é capaz de fazer mais e melhor”, disse.

O primeiro-ministro referiu ainda que “não é possível investir em educação, sem investir também em instalações”.

A este propósito, António Costa apontou as obras de requalificação das escolas de Amarante e Arcos de Valdevez que hoje inaugurou como dois exemplos “do esforço que o país voltou a fazer nas instalações escolares depois de um enorme desinvestimento motivado pela crise e pela forma como foi desenhado o Portugal 2020, que reduziu em 84% as verbas disponíveis para a requalificação das escolas”.

“Foi possível, em parceria com as autarquias, no esforço da reprogramação do Portugal 2020, poupando como a ‘carochinha’ para poder mobilizar verbas do Orçamento do Estado para investir nas escolas. Temos, neste momento, cerca de 700 escolas onde as obras foram concluídas, estão a ser concluídas ou estão em curso. A última que faltava arrancar, arrancou ontem [terça-feira] que foi a da António Arroio [em Lisboa]”, referiu.

A recuperação da Escola Básica 2,3/S de Arcos de Valdevez representou um investimento superior a 4,1 milhões de euros, que implicou um investimento municipal de 1,2 milhões de euros e financiamento comunitário de cerca de 2,7 milhões.

Na cerimónia de inauguração da requalificação da escola básica esteve também presente o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Ler mais
Recomendadas

BE e PCP confrontam Governo com situação precária de trabalhadores não docentes nas escolas

O Bloco de Esquerda quer saber se o Executivo socialista está a ponderar integrar os trabalhadores contratados a termo certo em 2017 nos quadros da Administração Pública e o PCP considera “inaceitável” que esses profissionais continuem em situação precária e que esteja a ser promovido o seu despedimento.

Governo abre 435 vagas para médicos de família

“Do total de vagas a preencher, o maior número dos últimos anos, 216 situam-se na região de Lisboa e Vale do Tejo, 86 no Norte, 64 no Centro, 34 no Alentejo e 35 no Algarve”, lê-se na nota enviada pelo Ministério da Saúde.

Onde está Juan Carlos? Marcelo não sabe se está em Portugal, República Dominicana garante que não está no país

Marcelo Rebelo de Sousa não sabe se o rei está no país, apontando que as autoridades portuguesas também não sabem. Já a República Dominicana garante que o antigo rei não entrou no país. Ministério dos Negócios Estrangeiros não comenta.
Comentários