PremiumCountry Manager da Regus IWG: “Procura pública de coworking tem aumentado”

Empresa já possui treze centros em Portugal e prepara-se para abrir um novo espaço no Marquês de Pombal em Lisboa, em 2019, e fazer a sua estreia no Algarve, na zona da Quinta do Lago, para o início de 2020.

“A procura do coworking no sentido público e não dos escritórios tem vindo a aumentar no último ano”. A opinião é Jorge Valdeira, country manager da Regus, empresa de coworking integrada no International Workplace Group (IWG). Em declarações ao Jornal Económico, o responsável da Regus justifica esta afirmação com o atual crescimento da economia portuguesa, mas “mais do que isso, cresce estruturalmente, porque este conceito é cada vez mais considerado pelas grandes empresas que estão a optar cada vez mais por espaços de coworking, essa é a grande mudança”, salienta Jorge Valdeira.

Com cerca de três mil unidades espalhadas por 900 cidades de 120 países, a Regus chegou a Portugal em 1994, com a abertura de um espaço na Avenida da Liberdade, em Lisboa, que ainda hoje funciona como sede da empresa. Atualmente, o grupo tem 13 espaços divididos por Lisboa, Oeiras, Braga, Porto e Vila Nova de Gaia, tendo como objetivo chegar às 15 unidades a breve prazo, com a abertura ainda em 2019 de um espaço no Marquês de Pombal, em Lisboa, que pertencerá à marca Spaces (grupo integrado na Regus), com um investimento de três milhões de euros numa área de cinco mil m2, com capacidade para receber 700 pessoas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Governo apoia programas municipais para converter alojamento local em arrendamento

Medida integra o Programa de Estabilização Económica e Social (PEES) apresentado por António Costa. Estado vai também reforçar verbas para apoiar um programa de alojamento de emergência para sem-abrigos.

Engel & Volkers Porto: “Ajuste de preços permite realização de alguns negócios”

Gustavo Soares, Managing Partner na cidade do Porto da promotora ligada ao segmento de luxo explica ao Jornal Económico que conseguiu manter a faturação no primeiro trimestre do ano “devido à antecipação de escrituras já previstas”.

Programa de Renda Segura da Câmara de Lisboa já recebeu 39 candidaturas

As candidaturas às primeiras 300 habitações arrancaram há cerca de duas semanas e decorrem até 30 de junho.
Comentários