Coursera prepara-se para entrar em bolsa. Confinamento fez disparar vendas de cursos online

As receitas da empresa de tecnologia educacional dispararam 59% para cerca de 246,3 milhões de euros no ano passado, perante as necessidades de requalificação dos trabalhadores e o tempo (mais) livre para formações em casa.

A norte-americana Coursera quer dispersar o capital em bolsa. Conhecida pelos seus cursos online, a empresa de tecnológica educacional deu esta sexta-feira entrada com um pedido de listagem ao regulador do mercado dos Estados Unidos (EUA).

A dar ímpeto à entrada em Wall Street está o aumento da faturação da Coursera devido aos confinamentos, que levaram mais pessoas a aderir aos cursos e formações online um pouco por todo o mundo.

A pandemia teve um efeito na Coursera semelhante – ainda que, naturalmente, em menor escala ao da plataforma a de videoconferências Zoom: as receitas dispararam 59% para 293,5 milhões de dólares (cerca de 246,3 milhões de euros) no ano terminado a 31 de dezembro de 2020).

Morgan Stanley, Goldman Sachs e Citigroup estão entre os subscritores da oferta pública inicial (IPO –  Initial Public Offering) da empresa com sede em Mountain View, segundo a informação que consta no documento enviado à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC – Securities and Exchange Commission).

A Coursera, que arrecadou 130 milhões de dólares (perto de 109 milhões de euros) numa ronda de financiamento no verão passado, tem uma plataforma utilizada por mais de 3.700 universidades e utiliza tecnologias como machine learning, cloud computing e language learning. Fundada em 2012, a empresa terá agora beneficiado também das necessidades cada vez maiores de requalificação dos trabalhadores.

Recomendadas

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Sines vai arrancar com Data Centre Campus, um investimento que pode chegar a 3,5 mil milhões

A cerimónia de apresentação do projeto, que pode criar até 1.200 empregos qualificados e é da responsabilidade da empresa star campus, será encerrada pelo primeiro-ministro, António Costa.
Comentários