Coutinho, símbolo de resistência em Portugal

O edifício Jardim, localmente conhecido como prédio Coutinho, tem a sua desconstrução prevista desde 2000, ao abrigo do programa Polis. No entanto, a batalha judicial iniciada pelos moradores tem travado este projeto até à exaustão.

Arménio Belo/Lusa

O processo de demolição do prédio Coutinho é uma batalha que dura há quase 20 anos e os moradores foram-se habituando a resistir. Em 2006, ignorando as ameaças de demolição do prédio Coutinho, em Viana do Castelo, a administração do condomínio avançou com obras de pintura e embelezamento exterior. Uma intervenção orçamentada em cerca de 500 euros para cada condómino, mas que era a prova de que os moradores estavam confiantes de que os tribunais lhes irão dar razão e travar a ideia de demolir o prédio. A autarquia pretendia demolir o edifício até Setembro desse ano.

Estas pequenas obras exteriores serviam para tornar o edifício ainda mais atraente e normalmente eram sempre feitas de dois em dois anos. No final do Verão desse ano estariam agendadas mais algumas obras no edifício, nomeadamente pintura de grades e limpeza de estores.

Eduardo Teixeira, antigo morador e presidente da concelhia do PSD de Viana do Castelo, foi viver para o edifício com três anos e só saiu em 1998, com 25 anos, para casar. “Lembro-me de um sítio com condições de habitabilidade fortes, convivência familiar entre vizinhos e em que quem morava nos andares mais acima tinha uma vista panorâmica”, recorda ao Jornal Económico.

O político explica ainda que se pode questionar a estética e o enquadramento do prédio, mas o imóvel foi fruto da época. De facto, há mais de quatro décadas um imóvel alto no centro da cidade significava pujança e desenvolvimento económico. “O Estado nunca deveria ter deixado chegar a situação a este ponto. É lamentável o espetáculo de desumanidade e de falta de bom senso que o país assistiu durante uma semana inteira, de verdadeiro bullying aos habitantes daquele edifício, independentemente das decisões judiciais”. O antigo morador e presidente da concelhia do PSD revela ainda que assistiu a vários familiares em desespero a entregar comida aos últimos residentes do Coutinho. Aproveitavam a troca de turnos da polícia para entregarem à pressa os alimentos por uma corda, visto que quem saísse arriscava-se a já não poder entrar.

Um caso político
No dia 1 de junho de 2000, quando José Sócrates era ministro do Ambiente e Defensor Moura presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, foi apresentado o Programa Polis de Requalificação Urbana e Valorização Ambiental de Viana do Castelo, que previa a demolição deste edifício, invocando razões estéticas: era “dissonante” da linha urbanística do Centro Histórico de Viana do Castelo e, assim, uma “intrusão visual”.

No ano seguinte, a autarquia afirmou que o prédio Coutinho era um entrave à candidatura de Viana do Castelo como uma das cidades Património Mundial da UNESCO. José Sócrates voltou a reforçar em 2005 o seu apoio à demolição do edifício que, nas suas palavras, era “contra a memória e a identidade” do centro histórico da cidade. “Chegou o momento de fazer o que devemos fazer para terminar com os erros urbanísticos do passado, e se há erro urbanístico que atenta contra a memória e identidade do centro histórico de Viana do Castelo é o prédio Coutinho”, disse na altura.

O edifício Jardim, localmente conhecido como prédio Coutinho, tem a sua demolição prevista desde 2000, ao abrigo do programa Polis. No entanto, a batalha judicial iniciada pelos moradores travou este projeto iniciado quando António Guterres era então primeiro-ministro e José Sócrates ministro do Ambiente.

A Sociedade VianaPolis iniciou os trabalhos de desconstrução do edifício no dia 24 de junho, na sequência de uma decisão da Justiça. Mas no dia 1 de julho o Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga aceitou a providência cautelar dos moradores do prédio Coutinho.

De acordo com o advogado dos moradores, Vellozo Ferreira, citado pela imprensa, aquela decisão tem efeitos suspensivos da ação de despejo, pelo que exige a reposição da água, luz e gás que, entretanto, foram cortados. “Os moradores podem entrar e sair livremente do prédio”, salientou, acrescentando que esta decisão vem colocar um “ponto final no atentado” feito aos moradores. Segundo Vellozo Ferreira, o despacho proferido “representa o culminar de uma semana de atentado aos direitos mais fundamentais”. Antes disso, em relação aos processos judiciais pendentes, o advogado explicou que se relacionam com a legalidade da expropriação do prédio e com o pedido de anulação dessa expropriação.

Para Vellozo Ferreira, já teria decorrido “um prazo suficiente para que a declaração de utilidade pública da expropriação já não seja válida”.

Já esta segunda-feira, 1 de julho, o cordão humano agendado em defesa de uma saída “digna e ordeira” dos últimos moradores do prédio Coutinho foi cancelado, anunciou a mentora da iniciativa. Em nota publicada na rede social Facebook, Elisabete Pinto refere que o cancelamento decorre da “reposição das condições mínimas de habitabilidade” do prédio.

No mesmo dia, a sociedade VianaPolis informou que vai pedir a “revogação do despacho” da providência cautelar movida pelos moradores no prédio Coutinho, aceite pelo Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Braga e que suspende o despejo iniciado há oito dias. A sociedade refere ter sido notificada da decisão, mas adianta que irá contestar a mesma por considerar que “a ação é igual à anterior providência cautelar que já foi decidida pelo mesmo Tribunal e totalmente favorável à VianaPolis”, em 2018.

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, acabaria por apelar aos proprietários para que abandonassem as suas casas e se pudesse demolir o edifício. “Os abusados somos mesmo nós, os poderes públicos, porque há 19 anos que as pessoas sabem que têm de sair”, garantiu o governante, questionado sobre o corte de vários serviços ao edifício, como água e gás, enquanto seis apartamentos continuam ocupados por pessoas que se recusam a sair. O ministro frisa que está em causa o interesse público e que os moradores não estão a cumprir uma ordem judicial.

“Peço às pessoas para saírem. Todas as suas garantias estão de pé, tudo o que lhes foi oferecido está de pé. Têm uma casa à espera delas, se optarem por isso. Há seis ou sete apartamentos que ficaram por vender para esse caso. E, se não o desejarem, há uma indemnização fixada em tribunal. Como sabem, para estes casos ainda são 1,9 milhões de euros que estão à conta do tribunal para serem entregues às pessoas para que possam fazer a sua vida noutro sítio”, acrescentou o ministro do Ambiente.

Este braço de ferro levou ainda a uma petição online. Mais de um milhar de pessoas já a subscreveram a medida contra a demolição, considerando que “não é ético nem decente” obrigar pessoas a sair de casa só por questões estéticas.

A petição pela manutenção do prédio acrescenta ainda que os moradores vivem “há mais de 18 anos num permanente estado de angústia e incerteza”, continuando a lutar pelas suas casas. “Têm toda a razão em resistirem ao recusarem-se a abandonar as suas habitações”, sublinha. Diz ainda, entre outros pontos, que “a destruição de um valioso património em bom estado de conservação, como é o prédio Coutinho, por causa da sua estética, é chocante e inaceitável num país com tantas carências”.

A implosão das torres da Torralta
A história de Tróia confunde-se com a da Torralta – Club Internacional de Férias, empresa dos irmãos José e Agostinho Silva, que criaram naquela península do distrito de Setúbal o primeiro conceito de casa de férias em Portugal. Constituída em 1967, a Torralta pretendia lançar o turismo de massas (tal como já acontecia no Algarve) em Tróia preparando-a para 70 mil camas. A Torralta financiou os seus empreendimentos nas poupanças de cerca de 35 mil pequenos acionistas, que foram atraídos através da venda de contratos de ocupação temporária, títulos de férias e títulos de ocupação, remunerados a uma taxa de juro anual muito atrativa, de 12 por cento – semelhante ao time-sharing. Quatro anos depois, pouco depois do 25 de abril, a empresa entrou em falência. As condições de mercado já se tinham alteradas e o modelo de financiamento sofreu uma quebra tremenda. Começou então a fase da degradação dos imóveis e os turistas desapareceram gradualmente. O empreendimento acabou nas mãos do Estado, que em 1988 resolveu vendê-lo à Sonae.

No dia 8 de setembro de 2005, mal recebeu o sinal, o então primeiro-ministro, José Sócrates, detonou os 95 quilos de explosivos e fez implodir duas das seis torres do complexo turístico da Torralta, em Tróia. A implosão decorreu conforme era esperado, totalmente controlada, e fez elevar uma nuvem de fumo que cobriu a zona durante cerca de quatro minutos.

Houve muitas palmas, um espetáculo de segundos para todos verem e admirarem, mas muitos dos sadinos que assistiram à implosão torceram o nariz ao novo empreendimento, receando que as praias passassem “a ser apenas para os ricos”.

Em Setúbal foram distribuídos oito mil binóculos para que todos pudessem ver a implosão e as festas da cidade antecipadas um dia. Mas as opiniões dividiram-se entre a apreensão, a aprovação e o otimismo reservado.

Autarcas e governantes e o próprio Belmiro de Azevedo, na altura líder da Sonae, tinham opinião bem diferente. Sócrates disse que aquele era um projeto que “honra Portugal, é o que eu chamo um trabalho bem feito”. E continuou: “É um bom projecto para o turismo, mas também para o ambiente. E foi o primeiro projecto deste Governo de interesse nacional”.
Primeiro-ministro nessa altura, Sócrates sublinhou ainda que “o investimento de 400 milhões de euros e o trabalho direto e indireto têm grande importância não só na região, mas também para todo o país”. Trata-se, acrescentou, de um “projeto muito importante do ponto de vista económico e mostra também grande confiança na economia portuguesa, no seu futuro”

O já falecido Belmiro de Azevedo alinhou no mesmo tipo de discurso. Considerou que o projeto de Tróia teria de ser competitivo a nível nacional e internacional. “Tem que criar riqueza, postos de trabalho e também conseguir reduzir o défice do Estado”. O presidente da Sonae lamentou, no entanto, que tivessem sido necessários oito anos para o processo ser iniciado. “Foi muito tempo de paralisia burocrática”. De facto, Tróia é, hoje em dia, um dos destinos preferidos dos portugueses.

Artigo publicado na edição nº 1996, de 5 de julho, do Jornal Económico

Ler mais
Recomendadas

PremiumImpressoras 3D transformam indústrias à boleia da era digital

Na quarta revolução industrial, as impressoras 3D já desempenham um papel relevante na produção de quase tudo, incluindo órgãos humanos. De acordo com um estudo do banco Internationale Nederlanden Groep, estima-se que, nas próximas duas décadas, um em cada dois produtos industriais será impresso a três dimensões.

PremiumAgnès Buzyn: De ministra da Saúde a candidata à Câmara de Paris

O seu percurso tem sido marcado pela medicina, mas agora Agnès Buzyn decidiu abraçar um novo desafio e substituir Benjamin Griveaux, antigo cadidato do partido de Emmanuel Macron, A República em Marcha, à câmara da capital francesa.

PremiumRacismo no desporto: O planeta dos macacos

Esporádicos, isolados, pontuais. É assim que normalmente são descritos os episódios de racismo no desporto, que existem há décadas, são uma constante em alguns recintos e nada indica que venham a desaparecer. Pedro Almeida, investigador e autor da tese ‘Futebol, raça e Nação’ prefere a realidade aos eufemismos: existe racismo no futebol porque a sociedade portuguesa é, no seu coletivo, profundamente racista. Outra coisa seria difícil de suceder num país que tem o mais longo histórico de colonialismo do mundo.
Comentários