Covid-19 arrasa bolsas. DAX tomba 4% e PSI-20 perde 2% com derrocada da Galp

O petróleo continua a tendência descendente devido às restrições em numerosos países para travar a segunda vaga da pandemia de Covid-19, sobretudo nos Estados Unidos e Europa. A queda de 5% arrastou para perdas de 7% as ações da Galp. O índice alemão DAX tombou mais de 4% e liderou as quedas, castigado pelo anúncio da Chanceler alemã de um novo lockdown parcial no país durante o mês de novembro.

Dia negro para as bolsas europeias, onde o índice europeu não foi exceção. A marcar a sessão em Lisboa está a queda aparatosa da Galp (-7,27% para 6,862 euros), arrastada pelo tombo do petróleo, quer na Europa, quer nos EUA. O barril de petróleo Brent para entrega em dezembro desceu hoje 5,49% para os 38,94 dólares o barril.

A Ibersol, afetado pelo fantasma de um novo ‘lockdown’ na restauração, caiu -7,63% para 3,63 euros.

Mas não fica por aqui. A Mota-Engil tombou -5,07% para 1,086 euros; os CTT recuaram -3,88% para 2,105 euros; a EDP perdeu -3,43% para 4,167 euros; a EDP Renováveis desceu -1,78% para 15,46 euros; e a Corticeira Amorim deslizou -2,20% para 9,80 euros.

O BCP que amanhã apresenta resultados do terceiro trimestre fechou a cair -3,43% para 0,0703 euros. Hoje em Espanha, o Bankia reportou contas do 3.ºtrimestre levemente acima do previsto.

A queda da Bolsa de Lisboa só não foi maior porque a Navigator subiu 3,55% para 1,924 euros e foi um dos cinco títulos que fechou no verde. A subida da Navigator provocou a subida da sua holding Semapa (+0,46%) e contagiou a papeleira Altri que subiu +1,11% para 3,276 euros.

As bolsas europeias encerram em baixa acentuada, acumulando perdas pelo terceiro dia consecutivo.  O índice alemão DAX tombou 4,17% para 11.560,51 pontos e liderou as quedas, “castigado pelo anúncio da Chanceler alemã de novo lockdown parcial no país durante o mês de novembro, uma restrição que inclui o encerramento de bares, restaurantes e locais de lazer”, segundo o analista de mercados do Millennium BCP.

O FTSE 100 de Londres caiu -2,55% para 5.582,80 pontos. “Durante a tarde surgiram notas de que a União Europeia e o Reino Unido estão a fazer progressos nas negociações pós-Brexit, aumentando as esperanças de que um acordo possa ser alcançado no início de novembro”, realça o mesmo analista.

O CAC 40 perdeu -3,37% para 4.571,12 pontos; o italiano FTSE MIB recuou -4,06% para 17.897,79 pontos; e o IBEX fechou a perder -2,66% para 6.474,40 pontos. Também o holandês AEX caiu -2,12%.

O global EuroStoxx 50 fechou a cair -3,49% para 2.963,54 pontos. No universo Stoxx 600 as perdas foram transversais a todos os setores.

Hoje a Reuters noticiou que o Ministro das Finanças alemão, Olaf Scholz, está a planear contrair muito mais dívida do que inicialmente previsto no próximo ano para financiar novas medidas de ajuda ao combate ao coronavírus, disse uma fonte governamental na quarta-feira. A soma inicialmente prevista de 96 mil milhões de euros para 2021 não é suficiente para ajudar as empresas a sobreviver à segunda vaga da pandemia, pelo que o governo tem de assumir novas dívidas bem acima dos 100 mil milhões de euros, disse a fonte à Reuters.

A pandemia está também a provocar a queda do petróleo.

O barril de petróleo Brent para entrega em dezembro desceu hoje quase 5,49% no Intercontinental Exchange Futures de Londres, para 38,94 dólares, devido aos receios com o aumento de contágios de covid-19 na Europa e nos Estados Unidos. Mas não é só o petróleo do mar do Norte, de referência na Europa, que cai. O crude West Texas nos EUA está a cair 6,04% para 37,18 dólares.

O euro cai 0,42% para 1,1747 dólares.

No mercado de dívida pública, a Alemanha tem os juros a recuarem 1,09 pontos base para -0,63%; Portugal, pelo contrário, aumentou o seu prémio de risco face ao benchmark alemão, ao ver os juros agravarem no mercado secundário 1,9 pontos base para 0,15%. Igualmente, Espanha vê os juros subirem 2,01 pontos base para 0,18% e Itália tem os juros soberanos na dívida a 10 anos a dispararem 6,54 pontos base para 0,76%.

Ler mais

Recomendadas

Wall Street fecha mista com aumento do desemprego

A avalanche de dados macroeconómicos justifica a fraca performance da bolsa. Os dados do emprego semanal dão uma subida dos pedidos de subsídio de desemprego no país pela segunda semana consecutiva, até os 778 mil, muito pior do que o esperado pelo consenso do mercado. Isto pode deixar marcas persistentes no mercado laboral dos Estados Unidos.

CMVM tomou 22 decisões de contraordenação algumas das quais originam coimas que somam 700 mil euros

Na base das decisões da CMVM estão 11 processos relacionados com infrações por violação de deveres dos auditores; cinco processos por violação dos deveres dos intermediários financeiros; três processos por violação de deveres das entidades responsáveis pela gestão de Organismos de Investimento Colectivo; entre outros. A maioria das coimas aplicadas está suspensa.

Bolsa de Lisboa fecha com subida superior a 1%

CTT, EDP Renováveis e BCP subiram mais de 2%. As ações da tecnológica Novabase, que divulgou esta tarde ao mercado o Plano para a Igualdade de Género e Diversidade, caíram 0,61% para 3,27 euros.
Comentários