Covid-19: Economia da China poderá retomar normalidade no segundo trimestre, diz diretora do FMI

Segundo a diretora-geral do FMI, em janeiro foi projetado “um crescimento global de 2,9%, no ano passado, para 3,3% neste ano. Desde então, o Covid-19 – uma emergência de saúde global – interrompeu as atividades [económicas] na China”.

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, avançou hoje que a economia da China poderá retomar a normalidade no segundo trimestre, admitindo medidas de resposta à epidemia coronavírus Covid-19 e ao decorrente impacto económico.

“No cenário atual, com a aplicação das políticas anunciadas, [há a possibilidade] de a economia da China poder retornar ao normal no segundo trimestre. Como resultado, o impacto na economia mundial seria relativamente menor e de curta duração”, disse Kristalina Georgieva, na reunião dos ministros das Finanças do G20, que decorre hoje e domingo em Riade, na Arábia Saudita.

Desde que foi detetado no final do ano passado, na China, o coronavírus Covid-19 provocou mais de 2.345 mortos e infetou mais de 76 mil pessoas a nível mundial.

A maioria dos casos ocorreu na China, em particular na província de Hubei, no centro do país, a mais afetada pela epidemia.

Segundo a diretora-geral do FMI, em janeiro foi projetado “um crescimento global de 2,9%, no ano passado, para 3,3% neste ano. Desde então, o Covid-19 – uma emergência de saúde global – interrompeu as atividades [económicas] na China”.

“As autoridades chinesas estão a trabalhar para mitigar o impacto negativo na economia, com medidas de crise, de provisão de liquidez, medidas fiscais e apoio financeiro. Tive uma excelente discussão com o governador Yi Gang e outros altos funcionários, e assegurei o nosso apoio a essas medidas políticas”, garantiu Kristalina Georgieva.

De acordo com a responsável, o mundo ainda está a aprender “como o vírus se espalha”, considerando que as “incertezas são grandes demais para permitir previsões confiáveis”.

“Muitos cenários podem ocorrer, dependendo da rapidez com que o vírus é contido e da rapidez com que as economias, chinesa e outras afetadas, retornam à normalidade”, frisou, alertando, no entanto, estarem igualmente a ser analisados “cenários mais terríveis em que a disseminação do vírus continue por mais tempo e globalmente”, sendo as consequências de crescimento “mais prolongadas”.

Georgieva considera a “cooperação global essencial para a contenção do Covid-19 e o seu impacto económico”, sobretudo se o surto se mostrar “mais persistente e generalizado”, sendo importantes estar “adequadamente preparado para reconhecer o risco potencial para estados e países frágeis com sistemas de saúde fracos”.

“O FMI está pronto para ajudar, inclusive por meio de nosso Fundo de Contenção e Ajuda em Catástrofes, que pode fornecer subsídios para o alívio da dívida de nossos membros mais pobres e vulneráveis”, reconheceu.

Ler mais

Relacionadas

Covid-19: setores têxtil, vestuário e calçado preocupado com eventual prolongamento da crise

O presidente da Anivec referiu que “mais de 85% de toda a roupa consumida na Europa provém da Ásia, o que quer dizer que a Europa está refém da Ásia”.

Muito aço mas ninguém o quer. Coronavírus trava indústria siderúrgica na China

Há muitas empresas que continuam a produzir, apesar de não haver procura, porque parar os fornos sairia mais caro.

Coreia do Sul regista pelo menos 142 novos casos de Covid-19

Entre os novos casos as autoridades sul-coreanas identificaram em 92 pessoas uma ligação com um hospital em Cheongdo, no sul do país.

Covid-19: confirmada segunda morte em Itália

No país foram identificados mais de 30 casos de contaminação.

China diz que surto de covid-19 está “sob controlo”

O vice-diretor da Comissão de Saúde da China, Zeng Yixin, considerou que a “situação melhorou” a nível nacional, mas sublinhou que na província de Hubei, centro do surto, o número de mortes e novos casos diários ainda está “num nível alto” a deve ser levado “a sério”.
Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

A edição digital do Jornal Económico vai estar disponível gratuitamente durante as próximas semanas, devido à situação de emergência nacional causada pela epidemia de Covid-19. Desta forma, todos os leitores continuarão a ter acesso ao Jornal Económico.

Défice da balança comercial aumentou para 1.547 milhões de euros em fevereiro

Tanto as importações como as exportações aumentaram no segundo mês do ano devido à subida do comércio intra-União Europeia, segundo o INE.

Mais de 264 mil portugueses estão em risco de desemprego devido à pandemia

Pandemia de Covid-19 pode fazer desemprego disparar 75% até ao final do ano, segundo cálculos do Jornal Económico, com base em cenários publicados pelo Banco de Portugal e dados do Instituto Nacional de Estatística. Serviços e indústria são os mais expostos, dizem especialistas.
Comentários