Covid-19: Empresas nacionais unem-se em plataforma digital e apoiam hospitais públicos

Grupo de empresas criaram o ‘Movimento Eu Apoio a Produção Nacional’ e o site consumirportugues.pt para promover o consumo de produtos nacionais. Dez por cento do valor das vendas reverterá para os hospitais de Santa Maria e de São João.

Um conjunto de empresas nacionais, desde produtores de vinhos e cerveja, passando por joalheiros ou outros produtos de artesanato e design, decidiram unir-se na plataforma digital consumirportugues.pt para promover o consumo de produtos portugueses e fazer face ao surto de coronavírus.

“O movimento ‘Eu Apoio a Produção Nacional’ reúne num site – consumirportugues.pt – o acesso às lojas online de vários produtores, onde cada um tem disponível um produto ou pack solidário, com dez por cento das vendas dos produtos definidos a reverter para os hospitais públicos de Santa Maria (Lisboa) e de São João (Porto). HLC Joalharia, Sanjo, A&D Wines, Sovina, Martine Love, +351, Cerveja Letra, Companhia das Cestas, José Maria da Fonseca, Topázio 1874, Joana Mota Capitão Jewellery, Victoria Handmade, Licor Orangea, Isto e Quinta do Paral são já algumas das marcas nacionais que entraram neste movimento solidário”, sublinha um comunicado deste conjunto de produtores.

De acordo com estes empresários, “num contexto Covid-19, o ‘Movimento Eu Apoio a Produção Nacional’ quer manter dinâmica a economia promovendo o consumo de produtos nacionais e, ao mesmo tempo, ajudar os hospitais que estão na linha da frente no combate à pandemia”.

“Em período de quarentena, e com as limitações impostas pelo Estado de Emergência, muitos dos produtores nacionais viram os seus principais canais de escoamento encerrados”, conclui o referido comunicado, apontando esta plataforma digital como uma das soluções encontradas para minorar o impacto negativo da pandemia.

Recomendadas

Gestor de Isabel dos Santos queixa-se a reguladores sobre contrato falso da Sonangol em 2005

O antigo assessor da empresária Isabel dos Santos na Sonangol queixou-se sobre um “contrato falso” que terá lesado a petrolífera angolana em 193 milhões de euros em 2005.

“Mobilidade elétrica tem um argumento de força: a urgência da descarbonização”, defendem especialistas na “Portugal Smart Cities Summit 2020”

Uma das provas da relevância da mobilidade elétrica está refletida nos números das vendas de automóveis elétricos: “2,3 milhões de vendas até ao final deste ano” deste tipo de veículo, segundo Ryan Fisher da BloombergNEF.

Efacec confirma saída de Rui Lopes da administração e Comissão Executiva

“Esta saída em nada altera o foco da liderança da empresa, que prossegue a sua estratégia e compromisso para a entrega de resultados e para a consolidação do valor económico-social da Efacec em Portugal e no mundo”, afirmou, em resposta à Lusa, fonte oficial da Efacec.
Comentários