Covid-19: Imperial Tobacco doa proteções acrílicas a mais de mil lojas portuguesas

A instalação das proteções arranca na próxima semana e irá abranger lojas de sul a norte de Portugal. Esta ação tem como objetivo contribuir para a segurança de todos aqueles que se encontram a trabalhar nestes locais e também dos consumidores.

A Imperial Tobacco Portugal vai instalar proteções acrílicas em mais de mil lojas em território nacional e assim ajudar a combater o surto do coronavírus. Em comunicado, a empresa refere que com este investimento pretende contribuir para a segurança de todos aqueles que se encontram a trabalhar nestes locais, assim como de todos os consumidores”.

Estas proteções acrílicas foram compradas a outra empresa portuguesa, a Fire – Comunicação. A instalação das proteções arranca na próxima semana e irá abranger lojas de sul a norte de Portugal.

João Pedro Lopes, diretor de Corporate Affairs da Imperial Tobacco Portugal, afirma que “a escolha recaiu sobre uma empresa nacional para, por um lado, apoiar a economia nacional e, por outro, garantir a rapidez da operação que visa a segurança de trabalhadores e consumidores dos pontos de venda”.

Por sua vez, Miguel Simões, diretor-geral da Imperial Tobacco Portugal, refere que “mais importante do que o investimento é poder dar um contributo para que, enquanto sociedade, consigamos vencer este enorme desafio”.

Recomendadas

IMT proíbe circulação de veículos ferroviários sem controlo de velocidade (Convel)

No início desta semana, administração da IP revelou que tem uma solução credível, proposta pela Critical Software. Órgão regulador do setor dos transportes “requereu uma avaliação urgente da viabilidade da solução e, caso viável, a consequente implementação igualmente urgente”.

NBA lança-se no mundo das apostas com o serviço NBABet Stream

Com a legalização das apostas desportivas nos EUA em 2018, a NBA torna-se a primeira grande liga desportiva dos EUA a atacar o mercado.

Siza Vieira sobre a possibilidade de adeptos nos estádios: “É mais importante que os jogos se realizem em segurança”

“É mais importante garantirmos a segurança de que as atividades se realizem sem percalços e com limitações do que permitir flexibilidade e depois ter de voltar atrás”, realçou o ministro à margem da conferência sobre o ‘Futebol Profissional e Economia Pós Covid-19’ que decorreu em Oeiras.
Comentários