Covid-19: Imperial Tobacco doa proteções acrílicas a mais de mil lojas portuguesas

A instalação das proteções arranca na próxima semana e irá abranger lojas de sul a norte de Portugal. Esta ação tem como objetivo contribuir para a segurança de todos aqueles que se encontram a trabalhar nestes locais e também dos consumidores.

A Imperial Tobacco Portugal vai instalar proteções acrílicas em mais de mil lojas em território nacional e assim ajudar a combater o surto do coronavírus. Em comunicado, a empresa refere que com este investimento pretende contribuir para a segurança de todos aqueles que se encontram a trabalhar nestes locais, assim como de todos os consumidores”.

Estas proteções acrílicas foram compradas a outra empresa portuguesa, a Fire – Comunicação. A instalação das proteções arranca na próxima semana e irá abranger lojas de sul a norte de Portugal.

João Pedro Lopes, diretor de Corporate Affairs da Imperial Tobacco Portugal, afirma que “a escolha recaiu sobre uma empresa nacional para, por um lado, apoiar a economia nacional e, por outro, garantir a rapidez da operação que visa a segurança de trabalhadores e consumidores dos pontos de venda”.

Por sua vez, Miguel Simões, diretor-geral da Imperial Tobacco Portugal, refere que “mais importante do que o investimento é poder dar um contributo para que, enquanto sociedade, consigamos vencer este enorme desafio”.

Recomendadas

Moody’s diz que atraso no 5G em Portugal pode ser positivo para operadoras

Agência de rating analisou impacto da pandemia da Covid-19 na setor europeu das telecomunicações e concluiu que um atraso na implementação do 5G em Portgual pode beneficiar operadoras. Mas a conclusão principal é que as receitas das telecoms caem à medida que os efeitos socioeconómicos do novo coronavírus aumentam.

Lufthansa negoceia com Governo alemão injeção de biliões de euros

O surto do coronavírus afetou mais de 90% da frota da companhia aérea germânica. Fontes próximas da negociação admitem a possibilidade do Governo adquirir uma participação da empresa.
Comentários