Covid-19: Itália anuncia terceira morte e Reino Unido quatro novos casos

Itália, o país europeu que regista mais casos de infeção pelo novo coronavírus, anunciou este domingo a terceira morte no país devido a esta doença, e o Reino Unido confirmou quatro novos casos de infeção pelo Covid-19.

Alessandro Bianchi / Reuters

A vítima mortal é uma mulher de idade avançada e com cancro, que estava internada “em estado grave” há alguns dias na unidade de oncologia de um hospital de Cremona, na Lombardia, região do norte de Itália que regista 89 casos desta pneumonia viral.

A informação foi avançada em conferência de imprensa, pelo conselheiro regional lombardo para a saúde, Giulio Gallera.

Por outro lado, em Londres, o Chief Medical Officer, cargo equivalente ao de diretor-geral de Saúde, anunciou hoje que análises confirmaram a presença do Covid-19 em quatro das 32 pessoas retiradas do navio de cruzeiro Diamond Princess, onde no sábado foi confirmada a infeção de um português.

Os novos casos elevam para 13 o número total de infetados no Reino Unido.

Os 30 britânicos e dois irlandeses, que chegaram no sábado a Londres, foram infetados a bordo do Diamond Princess, segundo o Chief Medical Officer, o epidemiologista Chris Whitty, embora não tenham apresentado sintomas à entrada para o voo que os transportou do Japão.

Com 132 casos e três mortes, a Itália é o país da Europa com mais casos de infeção pela nova estirpe de coronavírus e o quarto a nível global.

Os casos em Itália estão para já circunscritos a quatro regiões do norte do país: Lombardia, Veneto, Emilia Romanha, Piemonte e Lácio.

As duas primeiras vítimas do Covid-19 em Itália foram dois idosos e registaram-se um na região de Veneto e outro na da Lombardia.

As autoridades italianas não conseguiram até ao momento determinar o “paciente zero”, o primeiro caso em território italiano, o que torna difícil prever a propagação do vírus.

O principal foco do que as autoridades admitem poder ser um surto autónomo, não-relacionado com a cidade chinesa de Wuhan onde surgiram os primeiros casos, é Codogno, uma localidade de 15.000 habitantes na Lombardia.

O surto de Covid-19, que teve origem na China, já infetou mais de 78.000 pessoas em todo o mundo, segundo os números das autoridades de saúde dos cerca de 30 países afetados.

Depois da China, Japão e Coreia do Sul, a Itália é o país com mais casos de infeção, 132.

No resto da Europa, foram confirmados 16 casos de infeção na Alemanha, 13 no Reino Unido, 12 em França, um dos quais mortal, um na Bélgica e um na Finlândia.

Ler mais
Relacionadas

Covid-19: Centro Europeu de Doenças apoia medidas de Itália

O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC, na sigla em inglês) classificou este domingo de “essenciais” as medidas extraordinárias tomadas pelas autoridades italianas para conter o surto do novo coronavírus no norte do país.

Coronavírus: Milão encerra escolas, cinemas e teatros na próxima semana

Itália já registou 132 casos positivos em cinco regiões, ao mesmo tempo que o Governo começa a isolar duas das fontes do vírus, que já afeta 50 mil pessoas. O carnaval de Veneza já foi cancelado.

Covid19: 274 pessoas resgatadas pelo ‘Ocean Viking’ vão desembarcar na Sicília e ficam em quarentena

Como precaução, “os migrantes serão mantidos em quarentena” na cidade siciliana de Pozzallo e os funcionários do navio isolados a bordo “pelo tempo que for necessário”, disse hoje em comunicado o Ministério da Administração Interna sem dar mais pormenores.
Recomendadas

Centro Europeu de Doenças admite uso generalizado de máscaras em locais com muita gente

É o caso de centros comerciais e supermercados, quando se usa os transportes públicos e em certas procissões, como os elementos das forças de segurança e comerciantes que atendem ao público, se não estiverem por detrás de um vidro/acrílico de proteção.

Covid-19 já causou mais de 87 mil mortos no mundo

Os Estados Unidos registaram até às 05:30 desta quinta-feira 432.132 casos e 14.817 mortes e é o país onde a pandemia está a progredir mais rapidamente.

Covid-19: Hospitais privados atenderam cerca de 3.900 ‘suspeitos’ e têm 129 doentes internados

A APHP – Associação Portuguesa de Hospitalização Privada sugeriu um programa extraordinário de colaboração com o SNS – Serviço Nacional de Saúde para atender os portugueses com outras patologias cujo acompanhamento ou cirurgias estão a ser adiadas.
Comentários