Covid-19. Medidas de apoio às famílias custam 294 milhões. Governo afasta necessidade de Orçamento retificativo

O Governo prevê gastar um valor próximo dos 300 milhões de euros para apoiar os trabalhadores que vão ficar em casa a cuidar do seus filhos menores de 12 anos de idade.

Cristina Bernardo

As medidas de apoio aos trabalhadores para prestarem assistência aos seus filhos vai ter um custo total de 294 milhões de euros, revelou hoje a ministra da Segurança Social, Ana Mendes Godinho.

O mecanismo de apoio excecional vai custar “294 milhões de euros”, uma “medida orçamentalmente com valor significativo”, afirmou a ministra em conferência de imprensa após o Conselho de Ministros que terminou após a meia-noite desta sexta-feira.

Sobre se este valor é suficiente ou se poderá ser ultrapassado, Ana Mendes Godinho apontou que “dependerá muito da evolução [do surto] e do número de trabalhadores abrangidos. Vamos monitorizando”.

Por sua vez, a ministra da Estado e da Presidência apontou que o Governo vai “tomar as medidas todas necessárias”, independentemente do impacto financeiro”, e que não é “preciso nenhum Orçamento retificativo. Não há nada que nos leve a pensar na alteração” do atual Orçamento do Estado, afirmou Mariana Vieira da Silva.

Questionado se o Presidente da República está a par das medidas do Governo para combater a crise do coronavírus, Mariana Vieira da Silva garantiu que Marcelo Rebelo de Sousa está a ser informado das medidas.

Relacionadas

Covid-19. Saiba quais são as nove medidas de apoio à proteção social dos trabalhadores e famílias

Um dos progenitores vai ter direito a faltas justificadas se tiver de ficar em casa a tomar contas de filhos até 12 anos. Este pai vai ter direito a ganhar 66% de remuneração base – dividida em igual pela empresa e pela Segurança Social. Recibos verdes vão ter direito a um terço do seu rendimento médio.

Covid-19. Governo vai declarar estado de alerta. Forças de segurança em estado de prontidão

A decisão foi tomada em Conselho de Ministros que acabou depois da meia-noite desta sexta-feira. Viagens de finalistas vão ser adiadas. Governo garante que não vai faltar comida nas prateleiras dos supermercados. Saiba quais são as nove medidas que vão impactar toda a sociedade portuguesa.

Pais que fiquem em casa a tomar conta de filhos vão ter direito a remuneração parcial

Atualmente, a lei só contempla que os pais de crianças infetadas/suspeitas têm direito a ficar em casa recebendo parte do salário, mas não prevê nenhum apoio para os pais de crianças que fiquem em casa por a escola estar fechada.

Governo decreta encerramento de discotecas, e menos pessoas nos restaurantes, centros comerciais e serviços públicos

O primeiro-ministro anunciou também os passageiros de navios de cruzeiro não podem desembarcar e que as visitas a lares de idosos vão ter limitações.

Costa : Dois milhões de alunos em casa a partir de segunda-feira durante quatro semanas. Medida reavaliada a nove de abril

O primeiro-ministro anunciou hoje a decisão ao país depois de ter ouvido os líderes partidários ao longo do dia sobre a crise do coronavírus em Portugal. As escolas só poderão voltar a abrir, na melhor das hipóteses, no dia 13 de abril, depois da Páscoa.
Recomendadas

“Mobilidade elétrica tem um argumento de força: a urgência da descarbonização”, defendem especialistas na “Portugal Smart Cities Summit 2020”

Uma das provas da relevância da mobilidade elétrica está refletida nos números das vendas de automóveis elétricos: “2,3 milhões de vendas até ao final deste ano” deste tipo de veículo, segundo Ryan Fisher da BloombergNEF.

“Eletrificação nos transportes é determinante”, garante secretário de Estado da Mobilidade

Eduardo Pinheiro sublinhou os apoios que têm sido fornecidos para a aquisição de automóveis elétricos, bem como o reforço de 50 milhões de euros na frota da Soflusa. Posição foi conhecida no segundo dia da “Portugal Smart Cities Summit 2020”, evento que conta com o “Jornal Económico” como media partner.

Verbas do SURE ficam disponíveis a partir de outubro, diz Costa

O primeiro-ministro adiantou que as verbas do instrumento da Comissão Europeia para apoiar empregos ficará disponível “a partir do próximo mês”. Programa garante 5,9 mil milhões de euros de Bruxelas de financiamento para Portugal, o montante proposto pelo ministério das Finanças.
Comentários