Covid-19: Portugal com 713 novos casos, cinco mortes e subida em cuidados intensivos

A maior parte das novas infeções diagnosticadas nas últimas 24 horas estão repartidas pela zona de Lisboa e Vale do Tejo (266 novos casos) e pelo Norte (204 novos casos), de acordo com o boletim epidemiológico da DGS.

Portugal regista este sábado, 25 de setembro, cinco mortes atribuídas à Covid-19, 713 novos casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 e uma subida nos internamentos em unidades de cuidados intensivos (UCI), segundo os dados divulgados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Este sábado estão internadas em UCI mais sete pessoas, num total de 83 pacientes, e menos duas pessoas em enfermaria, onde agora se encontram 408 doentes com Covid-19.

A maior parte das novas infeções diagnosticadas nas últimas 24 horas estão repartidas pela zona de Lisboa e Vale do Tejo (266 novos casos) e pelo Norte (204 novos casos), de acordo com o boletim epidemiológico da DGS.

As mortes ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo (1), Norte (2) e Centro (2).

Desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram em Portugal 17.952 pessoas e 1.066.346 casos de infeção foram diagnosticados.

Recomendadas

Confiança dos consumidores da zona euro recua quase 1 ponto de setembro para outubro

A confiança dos consumidores recuou quase um ponto, de setembro para outubro, quer na zona euro, quer na União Europeia (UE), divulgou hoje a Comissão Europeia.

Crise dos combustíveis deverá levar a subida de preços dos serviços até 15% em Portugal (com áudio)

O ajustamento em alta acumula-se ao aumento dos preços na ordem dos 5%, atribuído à retoma económica e ao crescimento da procura no período de desconfinamento em Portugal.

OE2022. UTAO alerta para riscos associados à pandemia e regras de Bruxelas

A unidade técnica lembra que as regras orçamentais de Bruxelas foram suspensas na sequência da pandemia, mas um levantamento desta suspensão pode significar que a “consolidação que não se faça nas condições menos exigentes de 2022 terá que ser feita com menos graus de liberdade em 2023 e anos seguintes”.
Comentários