Cozinheiro português defende desperdício zero do seu restaurante nas cantinas escolares

O cozinheiro português Carlos Rodrigues, co-fundador de um dos poucos restaurantes “desperdício zero” do mundo, vem a Lisboa defender que é possível aplicar os mesmos princípios a qualquer cozinha, seja um restaurante de elite ou a cantina de uma escola.

Em declarações à Lusa antes da conferência, que se realiza na segunda-feira, “Europa Sustentável – Futuro Sustentável”, organizada pela embaixada da Finlândia em Lisboa, Carlos Rodrigues afirmou que tudo no “Nolla”, que mantem em Helsínquia, é pensado para “não normalizar o desperdício”.

Além de pensar na ementa diária, os cozinheiros deste restaurante “fine dining” entendem que mais importante seria mudar de abordagem “nas cantinas das escolas ou das prisões”, onde o impacto seria maior do que junto das cerca de 50 pessoas que o Nolla serve todos os dias.

“Seja em restaurantes de luxo, seja numa escola onde se servem mil refeições, é aceitável deitar coisas para o lixo. Isto não é aceitável”, salientou.

“Não temos caixotes do lixo. Cada ‘chef’ tem um contentor pequeno feito de vidro transparente. Toda a gente pode ver o que está a deitar fora e tem tempo para pensar. Na cozinha também temos um ‘software’ em que tem que se dizer o que e por que razão se deita fora, quem deita em quando”, descreveu.

O que se deita fora vai para compostagem, para um sistema que pode compostar mais de 80 quilos de resíduos num dia, quantidade que no Nolla se atinge ao fim de uma semana.

Todas as terças-feiras, o restaurante é visitado pelos agricultores e produtores locais que o fornecem e levam eles próprios uma parte do que foi obtido na compostagem, poupando-se uma viagem.

A preocupação com a sustentabilidade começa na compra dos produtos mas estende-se “à roupa, aos copos, à eletricidade que se gasta”, indicou, num trabalho “não acabou e nunca vai acabar”.

Há dois meses, os responsáveis do Nolla encontraram com uma destilaria local uma maneira de poupar dinheiro e encurtar a sua pegada ecológica, optando por armazenar destilados como uísque e gin em barris de cerveja reutilizados.

Cada barril funciona através de uma torneira, como aquelas em que se tira uma imperial, e o restaurante poupa no transporte, no armazenamento e na compra de mais garrafas de vidro.

“Até contra a reciclagem tento lutar. É uma espécie de penso que não faz a ferida parar de sangrar. Mandamos uma garrafa de vidro para a reciclagem, por vezes noutro país, vamos gastar energia a derreter a garrafa para fazer outra garrafa e até achamos que é uma medida inteligente.

Quando explicou à mãe como faz as coisas em Helsínquia, Carlos Rodrigues recebeu como resposta: “mas isso é o que nós costumávamos fazer sempre, antigamente”.

Carlos Rodrigues afirma não ter planos para alargar o Nolla, referindo que isso faria perder o caráter único do local, obrigando a receitas padronizadas.

Por enquanto, e por muito que gostasse de alargar a filosofia do desperdício zero, o Nolla “é um caso completamente à parte”.

Segundo os organizadores, “o desperdício alimentar representa oito por cento das emissões globais de gases com efeito de estufa. Estima-se que cerca de um terço da comida produzida é deitada para o lixo, enquanto uma em cada nove pessoas no mundo continua malnutrida”.

A conferência decorre na segunda-feira de manhã na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, e é aberta pela secretária de Estado do Ambiente, Inês dos Santos Costa.

Ler mais
Recomendadas

UGT preocupada com números do desemprego e `lay-off` em Portalegre

De acordo com a UGT, estes números tiveram particular incidência em concelhos com mais de 500 desempregados, nomeadamente em Elvas, Portalegre, Ponte de Sor e Campo Maior.

Fenprof vê com “muita preocupação” reabertura de jardins de infância

As crianças em idade pré-escolar regressam hoje aos jardins de infância, que voltam a funcionar com novas regras, depois de encerradas durante mais de dois meses, devido à pandemia da covid-19.

Itália abre fronteiras mas exclui países que impõem restrições a italianos

Os passageiros serão testados à chegada e, se mostrarem resultados negativos para a infeção, ficarão em quarentena por sete dias. Se o teste der positivo, ou seja, se mostrarem que os viajantes estão infetados com covid-19, a quarentena será de 14 dias.
Comentários