Crédit Agricole quer ser o sétimo banco em Itália e lança OPA sobre Credito Valtellinese

O Crédit Agricole Italia, controlado pelo Crédit Agricole, lançou uma oferta pública de aquisição sobre a totalidade do capital italiano Credito Valtellinese, no valor de 737 milhões de euros. Tornar-se-á no sétimo maior banco em Itália por ativos.

O banco francês Crédit Agricole quer reforçar a presença no mercado italiano e lançou uma oferta pública de aquisição (OPA) voluntária sobre a totalidade do capital do banco italiano Credito Valtellinese (Creval).

A operação foi lançada pelo Credit Agricole Italia, filial italiana do Crédit Agricole, que ofereceu 10,50 euros por ação em numerário, totalizando o investimento em 737 milhões de euros.

Com esta OPA, sujeita à condição de o Crédit Agricole conseguir o controlo de pelo menos 66,7% dos direitos de voto do Creval e à autorização dos reguladores, o banco de capitais franceses pretende duplicar a quota de mercado na região da Lombardia, no norte de Itália, de 3% para 6%.

“Com a aquisição do Credito Valtellinese, o Crédit Agricole Italie pretende consolidar o seu posicionamento enquanto sexto banco de proximidade no mercado italiano e tornar-se no sétimo banco italiano de acordo com o total de ativos e o número de clientes”, disse o Crédit Agricole, em comunicado. O mercado italiano é o segundo maior mercado doméstico do Crédit Agricole.

O Crédit Agricole realçou que a operação poderá dar um retorno superior a 10% a partir do terceiro ano, tendo em conta apenas as sinergias nos custos e no refinanciamento entre o Creval e o Credit Agricole Italia.

O mercado já reagiu ao anúncio da OPA, com as ações do Crédit Agricole a valorizarem mais de 3% ao início da tarde, para os 9,30 euros.

 

Recomendadas

Sodexo reembolsa mais de 325 mil euros em cartão refeição com IVAucher

A Sodexo Portugal é a única empresa de benefícios extrassalariais aderente ao programa IVAucher.

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.
Comentários