Crédit Agricole quer ser o sétimo banco em Itália e lança OPA sobre Credito Valtellinese

O Crédit Agricole Italia, controlado pelo Crédit Agricole, lançou uma oferta pública de aquisição sobre a totalidade do capital italiano Credito Valtellinese, no valor de 737 milhões de euros. Tornar-se-á no sétimo maior banco em Itália por ativos.

O banco francês Crédit Agricole quer reforçar a presença no mercado italiano e lançou uma oferta pública de aquisição (OPA) voluntária sobre a totalidade do capital do banco italiano Credito Valtellinese (Creval).

A operação foi lançada pelo Credit Agricole Italia, filial italiana do Crédit Agricole, que ofereceu 10,50 euros por ação em numerário, totalizando o investimento em 737 milhões de euros.

Com esta OPA, sujeita à condição de o Crédit Agricole conseguir o controlo de pelo menos 66,7% dos direitos de voto do Creval e à autorização dos reguladores, o banco de capitais franceses pretende duplicar a quota de mercado na região da Lombardia, no norte de Itália, de 3% para 6%.

“Com a aquisição do Credito Valtellinese, o Crédit Agricole Italie pretende consolidar o seu posicionamento enquanto sexto banco de proximidade no mercado italiano e tornar-se no sétimo banco italiano de acordo com o total de ativos e o número de clientes”, disse o Crédit Agricole, em comunicado. O mercado italiano é o segundo maior mercado doméstico do Crédit Agricole.

O Crédit Agricole realçou que a operação poderá dar um retorno superior a 10% a partir do terceiro ano, tendo em conta apenas as sinergias nos custos e no refinanciamento entre o Creval e o Credit Agricole Italia.

O mercado já reagiu ao anúncio da OPA, com as ações do Crédit Agricole a valorizarem mais de 3% ao início da tarde, para os 9,30 euros.

 

Ler mais
Recomendadas

Supremo confirma prisão do antigo presidente do Banco Privado

A pena de prisão efetiva de João Rendeiro só se vai concretizar após trânsito em julgado. O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) foi condenado a cinco anos e oito meses de prisão por vários crimes de falsidade informática e falsificação de documentos.

Sistema informático do BPI certificado pelo CMMI Institute

O BPI vê assim reforçada a capacidade de resposta às exigências das entidades de Supervisão Bancária na área do risco tecnológico.

Euro digital vai acontecer “com grande probabilidade”, diz especialista do London School of Economics

Ricardo Reis, professor da London School of Economics, acredita que o Banco Central Europeu acabará por emitir o euro digital. Bancos comerciais vão continuar a existir e a dirimir a relação com clientes, mas as moedas estáveis vão “perder grande parte do seu apelo”.
Comentários