Credit Suisse tem “muito bom ADN em gestão de risco”, garante ex-CEO

“Durante a crise financeira de 2008, o Credit Suisse foi um dos bancos que não teve nenhum resgate do governo e foi considerado um dos melhores durante a crise”, disse o ex-diretor do banco Brady Dougan.

O grupo Credit Suisse deve ser julgado pelos sucessos que já teve na gestão de risco, incluindo durante a última crise financeira, e não apenas pelo golpe multibilionário que sofreu com o colapso do hedge fund Archegos Capital Management nos Estados Unidos.

“Eles têm ótimos negócios, ótimos franchises, muitas pessoas ótimas. É claro que se tem que pôr isso em perspetiva”, referiu esta quinta-feira Brady Dougan, CEO do Credit Suisse de 2007 a 2015, numa uma entrevista à Bloomberg.

“Durante a crise financeira de 2008, o Credit Suisse foi um dos bancos que não teve nenhum resgate do governo e foi considerado um dos melhores durante a crise. Portanto, há muito bom ADN em torno da gestão de risco também”, afirmou o agora diretor executivo da Exos Financial.

O Credit Suisse terá de assumir perdas de 4,7 mil milhões de dólares (3,98 mil milhões de euros) em consequência da exposição do banco ao fundo Archegos Capital e antecipa agora prejuízos de 960,4 milhões de dólares (813,4 milhões de euros) no primeiro semestre do ano, depois de registar as perdas reportadas esta terça-feira.

O caso – o pior desastre comercial em mais de uma década – levou a mais de meia dúzia de demissões da empresa. Entre as saídas imediatas estiveram o diretor executivo da secção de investimento, Brian Chin, e a responsável pelo departamento de risco e compliance, Lara Warner. Já o conselho executivo do banco renunciou aos bónus para 2021.

 

Ler mais
Recomendadas

CaixaBank prevê reduzir 8.291 trabalhadores em Espanha na sequência da fusão com Bankia

É a maior redução do quadro de pessoal da história da banca em Espanha, segundo o El País. Os ajustes afetam o CaixaBank Espanha e não as filiais do grupo no exterior, o que é uma boa notícia para o BPI.

Fitch diz que deterioração da qualidade da carteira de crédito começa a notar-se nos resultados do segundo trimestre

A Fitch aponta para o risco de mais imparidades para crédito à medida que as moratórias  que restam expirem este ano, principalmente em países que fizeram mais uso da moratória, como a Grécia, a Irlanda, Itália e Portugal.

Jaime Antunes diz que o BPP foi o único banco da zona euro onde clientes perderam os depósitos

Houve uma segunda dimensão na crise do BPP que “foi uma dimensão claramente política” porque o Governo de Sócrates não quis salvar “o banco dos ricos”, frisou Jaime Antunes. O gestor lembrou que há processos do BPP parados à espera de despacho do juiz há 10 anos, e fala da falta de transparência da Comissão Liquidatária nomeada pelo Banco de Portugal.
Comentários