Crédito Agrícola lança app concorrente da Revolut, N26 ou Paypal para atrair clientes mais jovens

Esta aplicação integrada no grupo CA foi sendo desenvolvida desde 2018, fora do grupo Crédito Agrícola “num ambiente de fintech”, por cerca de 200 pessoas de Portugal, EUA, Polónia, Espanha, Dinamarca, República da Irlanda e Islândia.

O Crédito Agrícola (CA) lança esta quarta-feira, 11 de setembro, a aplicação (app) moey!, “o primeiro banco português na cloud” e, simultaneamente, a nova marca do grupo português CA. O grupo liderado por Licínio Pina quer rejuvenescer a sua base de clientes e, percebendo que as instituições bancárias integram um setor financeiro em transformação, onde os clientes estão cada vez menos fiéis e mais adeptos de aplicações tecnológicas ao serviço das suas necessidades, lançou esta ‘app’ que no mercado nacional vai concorrer diretamente com a Revolut, o N26 e até a Paypal.

Esta nova aplicação é apresentada ao mercado como “uma alternativa para quem pretende pagamentos rápidos com smartphone, ferramentas para poupar, levantamentos e pagamentos em TPA [Terminal de Pagamento Automático] no estrangeiro sem comissões adicionais”, pretendendo alterar a relação “dos portugueses com o mundo financeiro”.

O Crédito Agrícola sabe que os jovens olham para a marca como “pouco moderna” e, de acordo com a apresentação da moey! à comunicação social, onde o Jornal Económico marcou presença, foi explicado que a nova aplicação poderá atrair uma nova camada de clientes ao CA. Numa fase inicial o objetivo do moey! é “ajudar” os seus utilizadores a adquirir novos hábitos de gestão do seu dinheiro e, consequentemente, novos hábitos de poupança.

“Mais do que um banco, esta é uma ferramenta para gerir o dinheiro sem custos escondidos ou comissões para serviços que nunca se utilizam”, lê-se no comunicado da nova marca do grupo CA.

A moey! apresenta uma série de funcionalidades, todas “assentes em licenças bancárias do CA”. Sem comissões nas transferências, sem custos de abertura ou gestão de conta, a aplicação conta já com integrações com MB Way, Apple Pay – isto, é pagamentos MB Way e Apple Pay – e, “muito em breve”, contará com a sua própria funcionalidade wallet em Android.

Dada a integração do Apple Pay no novo “produto segregado do CA”, os utilizadores de dispositivos Apple poderão fazer compras na internet ou em lojas físicas recorrendo à aplicação moey! ou a um Apple Watch, Macbook, iPhone, ou iPad.

A app moey! conta na sua aplicação com funcionalidades para o dia a dia, nomeadamente para gerir despesas em grupos, poupanças e para acompanhar os gastos e um serviço de apoio ao cliente (das 9h00 às 00h00).

Entre as funcionalidades mais comuns, é possível “categorizar gastos, definir orçamentos para esses gastos, criar grupos de contas [idênticos ao Whatsapp], fazer levantamentos em dinheiro sem ser preciso recorrer a um cartão físico [recorrendo a um código por SMS no telemóvel], realizar transferências imediatas através da lista de contactos no telemóvel e realizar transferências ‘Instant’ [gratuitas até 40 por mês, isto é à 41ª transferência é cobrada uma comissão de 0,5 euros]”.

A app moey! tem associado um cartão que pode ser ativado e desativado através da aplicação. Numa primeira fase, não será possível aceder a créditos através da aplicação, sendo que no espaço de um ano essa solução – bem como o acesso a outros produtos como um simples seguro – poderá estar disponível via moey!.

Esta aplicação integrada no grupo CA foi sendo desenvolvida desde 2018, fora do grupo Crédito Agrícola “num ambiente de fintech”, por cerca de 200 pessoas de Portugal, EUA, Polónia, Espanha, Dinamarca, República da Irlanda e Islândia.

A app inclui parcerias com empresas como a Mastercard e Microsoft. A aplicação já está disponível para download na Play Store e na App Store, de forma gratuita, sendo que o registo demora cerca de dez minutos.

A app moey! está disponível para todos e a sua subscrição não obriga a que o utilizador se torne num cliente direto do CA.

 

Ler mais
Relacionadas

Lucro do Crédito Agrícola cresce 15,9% no semestre e lança banco digital

Licínio Pina, presidente da Caixa Central do Crédito Agrícola (CA) disse ao Jornal Económico que os dois grandes desafios para o sistema bancário nacional são “a política monetária do BCE com juros baixos e ainda o investimento em tecnologia que todas as instituições terão de fazer”.
Recomendadas

BCP aceita acordo para reduzir dívida do Sporting mas falta o Novo Banco

O prazo para o entendimento entre a SAD e os bancos terminou esta semana, mas só o Millennium bcp deu ‘ok’ à reestruturação da dívida bancária.

Banco de Portugal adopta ‘energia verde’ nos seus edifícios

“A transição para a nova forma de consumo de energia deverá estar concluída ainda durante o primeiro trimestre deste ano. Com esta medida, o Banco tem como objetivo reduzir a sua pegada de carbono”, explica a instituição

BCE pede aos bancos que evitem “distorcer” resultados de testes de stress

A cada dois anos, a Autoridade Bancária Europeia e o BCE realizam os chamados testes de stress a 50 bancos da União Europeia para medir a força das entidades bancárias em diferentes cenários de stress, como uma crise, por exemplo.
Comentários